PM prende suspeito de matar sargento em assalto na zona norte

Identificado como "Negueba", homem é apontado como participante da morte do 3º sargento Edevilson Máximo, de 44 anos, em julho

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2015 | 11h09

SÃO PAULO - A Polícia Militar prendeu na manhã desta terça-feira, 4, um homem suspeito de matar a tiros o 3º sargento Edevilson Donizete Máximo, de 44 anos, no mês passado. Identificado apenas como "Negueba", o suspeito foi pego após ser flagrado realizando um assalto na região da Vila Amélia, na zona norte da capital paulista.

De acordo com a corporação, por volta das 7h30, os policiais flagraram dois homens praticando um assalto contra pedestres na Rua Gomes Leal. Quando perceberam a aproximação da viatura, os bandidos subiram em uma motocicleta e fugiram.

Durante a perseguição, os criminosos bateram em um veículo e acabaram detidos, diz a PM. Eles foram encaminhados ao 38º Distrito Policial (Vila Amélia), onde duas vítimas os reconheceram. Aos policiais, elas disseram que a dupla havia roubado um celular e uma bolsa com documentos.

Após levantamentos, os policiais também descobriram que "Negueba" estaria envolvido em outros assaltos, um deles contra um delegado no dia 19 de julho. Ele também é apontado pelos policiais como participante do crime que acabou na morte do sargento Máximo, no dia 12 de julho.

Na ocasião, o policial militar voltava para casa de moto, por volta das 6h45, após o serviço, quando foi surpreendido por três criminosos em duas motocicletas na região da Freguesia do Ó, também na zona norte. Os bandidos anunciaram o assalto, mas após perceberem que o policial estava fardado um deles atirou.

Máximo, que era lotado no 47º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M), acabou atingido na cabeça. Ele chegou a ser levado para o Hospital Geral Vila Nova Cachoeirinha e depois transferido pelo helicóptero Águia para o Hospital das Clínicas, mas não resistiu aos ferimentos. Os criminosos fugiram sem levar nada.

Tudo o que sabemos sobre:
ViolênciaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.