PM não pode socorrer mais vítima de violência

Feridos em confronto com a polícia só poderão ser levados ao hospital pelo resgate

O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2013 | 02h02

Uma resolução da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo publicada ontem no Diário Oficial do Estado determina que casos graves de violência - como homicídios e pessoas feridas em confronto com a polícia - só podem ser socorridos por equipes de resgate, como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A medida também altera a classificação das ocorrências com mortos pela polícia de "resistência seguida de morte" para "morte decorrente de intervenção policial".

O primeiro caso ocorreu ontem. Às 17h03, um carro roubado foi abordado e seguido por viaturas da PM em Campo Grande, na zona sul da capital paulista. De acordo com a corporação, houve troca de tiros na Avenida Nossa Senhora do Sabará. Uma viatura de resgate dos bombeiros foi chamada às 17h09 no posto de atendimento de Santo Amaro. Segundo os bombeiros, o resgate chegou ao local às 17h34. O baleado sobreviveu.

O secretário da Segurança, Fernando Grella Vieira, afirmou que o objetivo da resolução é garantir atendimento especializado para pessoas com ferimentos graves, assim como já ocorre no trânsito. "A medida quer garantir a saúde da vítima, com equipes especializadas para atender ao resgate."

A mudança busca também liberar mão de obra de policiais militares para preservar a cena do crime. "A modificação ajuda a garantir a qualidade das investigações e a evitar que provas sejam apagadas."

Outro benefício é dificultar casos de violência cometidos por PMs enquanto supostamente socorrem vítimas. Como o desvendado pela Corregedoria na sexta-feira, que levou à prisão seis policiais acusados de executar três jovens depois de serem colocados em uma viatura.

A proibição do termo "resistência seguida de morte" é fundamentalmente "simbólica", segundo Grella. "Sinaliza que estamos dispostos a investigar, antes de definir que o caso foi uma resistência."

Samu. O diretor do Samu na capital, Luiz Carlos Wilke, disse ontem que o impacto da resolução será pequeno na demanda diária. "O policial faz a 'reboqueterapia'. Enfia a vítima na viatura e leva ao hospital mais próximo. Mas de que adianta levar alguém que levou um tiro na cabeça a um lugar sem neurocirurgião? Levando o paciente ao lugar certo, horas e horas de atendimento são ganhas."

Wilke disse que o Samu recebe cerca de 8 mil ligações diárias. Dessas, em 1,2 mil há atendimento no local. Ele garante que suas equipes estão preparadas para atender em até dez minutos uma ocorrência grave na capital. / WILLIAM CARDOSO e B.P.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.