Polícia Militar liberta família feita refém por duas horas no ABC

Caso aconteceu em Mauá; menor de idade fumou na frente dos policiais durante negociação, enquanto comparsa apontava arma

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

29 Maio 2015 | 11h05

SÃO PAULO - A Polícia Militar libertou um família feita refém durante duas horas por dois assaltantes, na manhã desta sexta-feira, 29, em Mauá, no ABC paulista. Durante a negociação, um dos ladrões, um adolescente de 17 anos, fumou cigarros na frente dos PMs enquanto o comparsa apontava um revolvér calibre .38 para a cabeça de um dos reféns. Os dois negociaram com a polícia do terraço da casa e exigiram a presença dos família para libertarem os reféns e se entregarem.

De acordo com o tenente Leonardo Lucena, do 30º Batalhão de Policiamento Militar Metropolitano (BPM/M), os criminos aproveitaram o momento em que uma das moradoras da casa, uma mulher de 32 anos, abriu o portão para os pais dela tirarem o carro da garagem. A filha tinha uma cirurgia ocular marcada para esta manhã e seria levada pelos pais a um hospital.

Além do casal, havia uma criança de um ano dentro da casa, que foi libertada pelos assaltantes assim que a PM chegou até o local. A polícia foi chamada por um vizinho da família, que desconfiou da movimentação na casa.

"A negociação foi tranquila. O mais exaltado era o maior de idade, que estava armado. Pelo adolescente, os dois teriam libertado a família muito antes", explicou Lucena.

Ainda de acordo com o tenente, o assaltante que apontava a arma e ameaçava assassinar os reféns caso a família não cumprisse o acordo de levar os familiares até o local, utilizava um colete à prova de balas de uma empresa de segurança. 

Mais conteúdo sobre:
MauáABCViolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.