Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Polícia Militar faz reintegração de posse de terreno no Limão

Algumas pessoas atearem fogo em barracos e interditaram Marginal do Tietê por alguns minutos; uma pessoa foi levada a delegacia

Maria Eduarda Chagas e Rafael Italiani , O Estado de S. Paulo

11 Junho 2015 | 07h35

Atualizado às 9h55

SÃO PAULO - Homens do Choque da Polícia Militar fazem na manhã desta quinta-feira, 11, a reintegração de posse de um terreno particular, na Avenida Coronel Euclides Machado, no Limão, na zona norte de São Paulo. De acordo com a PM, a área era ocupada por cerca de 100 famílias e a maioria delas deixou o local no dia anterior. Alguns moradores das 20 famílias que permaneceram atearam fogo nos barracos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), um homem foi preso. Não há informação de vítimas.

Por causa do tempo seco e da proximidade dos barracos de madeira entre si, as chamas se espalharam rapidamente. O homem detido por atear fogo nos barracos foi levado ao 40º Distrito Policial (Vila Santa Maria). O Corpo de Bombeiros informou que 13 viaturas foram enviadas ao local. Os bombeiros controlaram as chamas e fazem o trabalho de rescaldo.

Segundo o coronel Carlos Henrique Navarro, comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (9º BPM/M), o terreno pertence à Pantanal Empreendimentos e Participações. A ordem judicial requisitou à PM que auxiliasse a desocupação nesta quinta-feira.

Ainda de acordo com o coronel, ocorrem há dois meses reuniões de policiais militares do 9º BPM/M com as famílias, o que levou a maioria delas a deixar o local antes da reintegração.

Algumas pessoas bloquearam faixas da Avenida Otaviano Alves de Lima - pista local da Marginal do Tietê, no sentido da Rodovia Castelo Branco - por alguns minutos como forma de protesto à reintegração de posse. A via foi liberada na sequência.

A Rua Coronel Euclides Machado está totalmente interditada nos dois sentidos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.