PM faz blitz da lei seca para caminhoneiros na marginal Tietê

No total 30 foram abordados, mas nenhum apresentou índice acima de 0,11 mg de álcool por litro de ar expelido

Ricardo Valota, do estadão.com.br; e Daniela do Canto, do Jornal da Tarde,

06 de novembro de 2008 | 02h36

Da 0h às 3h30 desta quinta-feira, policiais militares do 34º Batalhão realizaram uma blitz da lei seca, batizada como "Operação Direção Segura", voltada somente para caminhoneiros. O bloqueio ocorreu na pista expressa da marginal Tietê no sentido Penha-Lapa entre as pontes da Casa Verde e Limão, na zona norte da cidade de São Paulo. O primeiro caminhoneiro foi parado pelos policiais militares à 0h40. No total 30 caminhões foram abordados, mas nenhum dos motoristas que passaram pelo teste do bafômetro apresentaram índice acima de 0,11 mg de álcool por litro de ar expelido, quantidade que, segundo a legislação, caracteriza embriaguez. Agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e funcionários da Secretaria Municipal de Transportes (SMT) deram apoio logístico aos policiais militares. Por causa do bloqueio de duas faixas, o trânsito ficou lento, mas apenas por aproximação. Lei Pela nova lei, quem for pego pelo bafômetro com uma margem entre 0,0 e 0,11 mg de álcool/litro de ar expelido não é considerado infrator e acaba liberado. De 0,12 a 0,3 mg, paga-se uma multa de R$ 957,20 e corre-se o risco de ter a carteira de habilitação suspensa de 12 a 24 meses. Acima de 0,3 mg, além de pagar a multa e correr o risco de perder a habilitação, o infrator é levado para a delegacia, responde criminalmente, podendo pegar uma pena que varia de 6 meses a 3 anos de detenção e só é liberado para responder em liberdade após pagar uma fiança de R$ 300 a R$ 1.200. Texto atualizado às 6h20

Tudo o que sabemos sobre:
Lei Secablitzcaminhãomarginal Tietê

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.