Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

PM em Uno morre ao colidir com ônibus na Zona Leste de SP

Passageiros, motorista e cobrador saíram ilesos segundo testemunhas; Acidente atingiu loja próxima

Daniela do Canto e Ricardo Valota, da Central de Notícias,

28 Maio 2009 | 05h43

O soldado do 2º Batalhão de Choque da Polícia Militar Valdir Zottino, de 40 anos, morreu na madrugada desta quinta-feira, 28, ao ter o carro arrastado e prensado por um ônibus contra um poste na esquina da Rua Catumbi com a Avenida Celso Garcia, na região do Belenzinho, zona leste de São Paulo. O acidente aconteceu por volta das 2 horas. Valdir trabalhou mais de 20 anos na polícia.

 

Segundo testemunhas, Zottino seguia em seu Fiat Uno no sentido Tatuapé da Avenida Celso Garcia e o ônibus vinha da Rua Saldanha Marinho. Quando o coletivo atravessava a avenida para acessar a Rua Catumbi, os dois colidiram e o Uno foi arrastado pelo ônibus, que só parou ao bater em um poste. "A batida foi feia", disse o auxiliar de plataforma Rafael Senário, de 20 anos, que estava em um ponto de ônibus a poucos metros do acidente.

 

Senário afirmou que o Uno estava em alta velocidade, desrespeitou a sinalização do semáforo e o ônibus não conseguiu desviar. "Quando o carro passou, o sinal estava vermelho", relatou. Depois da batida, o Uno começou a pegar fogo. Um taxista de 49 anos que chegava ao local para deixar um passageiro pegou dois extintores de incêndio que carrega no porta-malas e, com a ajuda de um morador, conseguiu apagar o fogo.

 

"Os postes da rua também começaram a dar um monte de faíscas. Logo depois, as viaturas chegaram", contou o taxista, que preferiu não se identificar. O soldado da PM foi retirado do Palio por volta das 2h50 por uma equipe do Corpo de Bombeiros.

 

 

Loja atingida

 

Uma loja de doces em frente ao poste onde o ônibus parou depois da batida também foi atingida. Duas pessoas que dormiam dentro do comércio tiveram de sair do local pelo ônibus.

 

"Eu estava no décimo sono e acordei com os gritos. Saí correndo e gritando", disse a vendedora Adriana Maris, de 30 anos. "Para sair da loja, a gente teve de entrar no ônibus e depois sair dele pela porta traseira. Então, a gente se machucou um pouquinho nessa hora, nos cacos de vidro do para-brisa", explicou o amigo de Adriana, João Batista Lima da Silva, de 54 anos. Eles sofreram escoriações nos braços e pernas.

 

Silva contou que o forro da loja desabou sobre eles. "A gente coloca o colchão bem pertinho da porta de aço. A gente só não morreu por causa do poste na rua, que segurou o ônibus", acrescentou ele.

Conforme o relato de testemunhas do acidente, além do motorista e do cobrador, seis passageiros estavam no ônibus, que faz a linha 2182 (Jardim Brasil/Praça do Correio) e nenhum deles sofreu ferimentos graves. O caso será registrado no 81º Distrito Policial (Belém).

 

Mais conteúdo sobre:
PM Zona Leste colisão ônibus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.