PM é preso por reagir a arrastão em ônibus e matar passageiro

Policial à paisana tentou atingir criminosos que roubavam coletivo na zona leste, mas acabou ferindo dois ocupantes do veículo

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

25 Julho 2015 | 15h45

SÃO PAULO - Um policial militar de 47 anos foi preso após balear dois passageiros durante um arrastão a um ônibus, na noite de sexta-feira, em Cidade Tiradentes (zona leste). Um dos homens atingidos morreu e o outro está internado.

O coletivo, que fazia a linha 3787 (Cidade Tiradentes - Metrô Itaquera), da companhia Pêssego Transportes, foi invadido por quatro suspeitos por volta das 19h25, quando passava pela Avenida Ragueb Chohfi, na altura do número 5.700. Após a invasão, os criminosos começaram a recolher os pertences dos passageiros. Entre os ocupantes do veículo estavam dois motoristas da empresa, que pegaram uma carona no veículo para seguir ao trabalho.

Quando os assaltantes se preparavam para fugir, os dois motoristas tentaram segurar um dos integrantes do bando. Do fundo do veículo, o PM, que estava à paisana, atirou contra os homens, mas acabou ferindo os dois funcionários da companhia, levados para o Hospital Municipal de Cidade Tiradentes. Carlos Garcia de Aquino morreu. Nilson Pereira de Pinto Filho passou por cirurgia e está estável. A quadrilha fugiu.

O PM foi preso em flagrante e levado para o Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte da capital. Ele será indiciado por homicídio culposo e lesão corporal culposa (sem intenção de matar). A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) informou que "todas as circunstâncias em que se deram os fatos estão sendo apuradas".

Mais conteúdo sobre:
violência arrastão polícia militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.