SSP/Divulgação
SSP/Divulgação

PM é preso por explodir caixa eletrônico

Soldado de 35 anos e outros cinco criminosos foram detidos com mais de R$ 50 mil, dinamite, fuzis, pistolas e coletes à prova de bala

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

30 de março de 2015 | 11h24

SÃO PAULO - O soldado da Polícia Militar Ricardo Reginaldo Pereira, de 35 anos, foi preso na madrugada do último sábado, 28, acusado de explodir um caixa eletrônico, em um posto de gasolina em Ilha Comprida, na Baixada Santista. Além do PM, outros cinco suspeitos que formavam a quadrilha junto com Pereira foram presos em flagrante. 

Segundo a polícia, o bando estava com R$ 53.128 em dinheiro, três fuzis, duas pistolas calibre .380 e 9 mm, munições para as armas, quatro coletes à prova de balas, quatro toucas-ninja, uma mira laser, um rádio para ouvir a frequência da Polícia Militar e 15 celulares. 

Por volta das 4h, a quadrilha explodiu uma caixa eletrônico de um posto de combustível. Após a ação, as Polícias Civil e Militar montaram uma operação com cerca de 100 homens e um helicóptero Águia da PM. Com as informações de testemunhas, os policiais encontraram um dos carros utilizados pelo bando, que fugiu por um matagal às margens da Rodovia Prefeito Casemiro Teixeira. 

Houve uma troca de tiros, uma viatura da PM foi atingida e um PM foi atingido por estilhaços no rosto. No meio da mata, o soldado da PM foi preso. O policial estava desarmado e portava algumas notas chamuscadas pela explosão do caixa eletrônico. 

Na sequência, outros dois criminosos foram detidos: um vendedor de 22 anos e um pizzaiolo de 30 anos. A dupla estava com todo as armas, coletes, toucas, celulares e o dinheiro. 

Levados para a Delegacia de Iguape, os assaltantes disseram que estavam uma casa na cidade de Ilha Comprida, também na Baixada Santista. Na residência, os policiais detiveram dois mecânicos, de 27 e 20 anos, e o operador de máquinas, de 32. A polícia ainda apreendeu duas bananas de dinamite, estopin, um sistema de acionar explosivos e ferramentas. Os bandidos também mantinham uma Hyundai Tucson preta, roubada e com placadas adulteradas.

Tudo o que sabemos sobre:
ViolênciaSão PauloPolícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.