PM é preso após balear 2 pessoas em shopping

Vítimas dizem que foram atingidas após discussão banal na porta de elevador do centro de compras; soldado achou que seria assaltado

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

21 Março 2011 | 00h00

O soldado da Polícia Militar Alexandre Dalla Pria dos Santos, de 35 anos, foi preso ontem de madrugada após atirar em duas pessoas no Shopping Campo Limpo, zona sul de São Paulo, por causa de uma discussão. As vítimas, que estão internadas, dizem que foram atingidas após um desentendimento que começou no elevador. Santos diz que achou que os dois baleados seriam assaltantes.

O incidente aconteceu por volta das 16h30 de anteontem e foi filmado pelas câmeras de segurança do centro comercial. Os três esperavam a chegada do elevador para deixar o térreo do shopping em direção a um dos andares de estacionamento. Uma das vítimas, de 30 anos, diz que apertou os botões de subida e descida ao mesmo tempo para o elevador chegar mais rápido.

Segundo ele, a atitude teria irritado o policial militar, que estava à paisana, passeando no shopping. Os três começaram a discutir, segundo lojistas, e não pararam de falar, mesmo após entrarem no elevador. A partir daí, as versões dadas pelas partes aos policiais do 37.° DP (Campo Limpo) tomam rumos diferentes. As vítimas afirmam que, ao chegar ao estacionamento, Santos atirou no homem de 30 anos. O disparo atingiu a coxa e causou uma fratura exposta no fêmur.

O primo dele, que tem 28 anos, teria dito ao policial que tudo estava sendo filmado e, na sequência, atirou uma marmita de feijoada em Santos. O jovem tentou correr, mas também foi baleado na perna. O projétil teria acertado a aorta. A polícia foi chamada pelos seguranças do shopping e levou os dois feridos para o Hospital Municipal do Campo Limpo.

O policial, por sua vez, afirma que desconfiou que os dois primos iriam roubá-lo. Diz ainda que, ao sair do elevador, tentou correr para o carro, o que não conseguiu fazer porque as vítimas ficaram muito perto dele. Santos teria, então, se identificado como PM, o que não impediu que os dois primos "fossem para cima" dele, como contou em depoimento. Isso teria feito com que ele atirasse.

Susto. Uma lojista de 24 anos que pediu para não ser identificada disse que, ao ouvir os tiros e os gritos, muitos comerciantes fecharam as portas. "O povo achou que era assalto."

Os policiais militares que foram acionados para atender a ocorrência anotaram a placa do carro de Santos pelas imagens do circuito interno de segurança e descobriram seu endereço.

Ao chegarem na casa de Santos, ele disse que estava se preparando para se entregar. O policial militar foi indiciado por tentativa de homicídio e levado para o Presídio Militar Romão Gomes. A arma que ele usou no crime, uma pistola .40, foi encaminhada para perícia.

O shopping informou que está cooperando com a investigação. A Secretaria Municipal de Saúde disse que o homem de 28 anos foi operado para retirada do projétil e que o quadro clínico é estável. A outra vítima foi transferida para um hospital particular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.