PM é flagrado atirando em suspeito desarmado

Acusado de cometer sequestro relâmpago no Rio, homem é alvejado na perna quando já estava dominado

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2012 | 03h05

Um PM do Rio atirou contra um suspeito desarmado, ontem, depois que ele havia se rendido, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. O baleado é acusado de fazer uma mulher e seu sobrinho reféns durante um sequestro relâmpago. Atingido na perna, ele não corre risco.

Os PMs atribuíram o ferimento a uma troca de tiros, mas imagens gravadas por um cinegrafista amador mostram que o suspeito já estava rendido e não disparou nenhum tiro.

Após tomar conhecimento da situação por meio do vídeo, veiculado ontem à noite pela TV Globo, a PM divulgou nota em que afirma que o policial foi identificado e preso. "Ações como as que aparecem no vídeo não condizem com a Polícia Militar. Fatos como esse devem ser apurados e punidos", diz a nota da PM.

A Secretaria Estadual de Segurança também se manifestou. "Ao ver as imagens (...), o secretário José Mariano Beltrame ordenou à Polícia Militar a apuração rápida e exemplar do ocorrido. Determinou ainda que, preferencialmente, os responsáveis sejam submetidos a processo de expulsão sumária da corporação".

Além do rapaz baleado, outros três homens foram detidos. Eles haviam rendido uma mulher e o sobrinho dela na Avenida Lúcio Costa. Os homens planejavam seguir até um banco, mas se depararam com uma blitz da PM e fugiram. Foram perseguidos e presos. Um revólver foi apreendido, mas outros dois teriam sido abandonados em um terreno baldio. Por isso, o grupo foi levado a esse terreno pelos PMs.

As imagens mostram um dos policiais atirando quatro vezes contra o muro que cerca o terreno, para assustar um dos criminosos, que está com as mãos para o alto. Em seguida, outro PM, de frente para um acusado dominado, saca a arma e dispara, atingindo sua perna. O policial algema o homem ferido que, mancando, é levado para o carro da PM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.