Mario Ângelo/SigmaPress
Mario Ângelo/SigmaPress

PM é ferido ao tentar parar baile funk

Moradores do Parque Novo Mundo ainda queimaram carros em protesto contra a ação policial; viatura chegou a ser alvejada por fuzil

Gio Mendes, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2011 | 00h00

Policiais militares foram recebidos com pedradas, garrafadas e tiros ao atender a uma ocorrência de perturbação de sossego na Rua Queirós Veloso, na região do Parque Novo Mundo, zona norte de São Paulo, na noite de ontem. Um policial ficou ferido após ser atingido na cabeça por um dos objetos arremessados pelos frequentadores de um baile funk que acontecia em uma favela.

Dezenas de pessoas ficaram irritadas com o fim da festa e incendiaram pelo menos dois carros, por volta das 19h30. Ninguém foi preso pela Polícia Militar.

De acordo com a PM, um morador ligou no começo da noite para reclamar do som alto do baile que acontecia na rua. Uma viatura do 5.º Batalhão foi enviada para o local. Ainda de acordo com os soldados, os frequentadores do baile jogaram pedras e garrafas contra os dois policiais que ocupavam a viatura. Um deles chegou a levar uma pedrada na cabeça e precisou ser levado para o Hospital Nipo-Brasileiro, onde foi medicado.

Outros frequentadores do baile teriam atirado na direção da viatura policial. Os soldados revidaram os tiros e chamaram reforço pelo rádio. Segundo a PM, ninguém ficou ferido durante o tiroteio. Os atiradores estariam armados com fuzis, segundo relato da Assessoria de Imprensa da corporação.

Protesto. Para protestar contra a ação da polícia, dezenas de pessoas que estavam no baile funk resolveram interditar a Rua Queirós Veloso. Durante o bloqueio, os manifestantes colocaram fogo em dois veículos. O Corpo de Bombeiros foi acionado para controlar o incêndio.

Não é a primeira vez neste ano que policiais militares e frequentadores de um baile funk se envolvem em um confronto na zona norte da capital. Em janeiro, a confusão aconteceu no Jardim Peri, quando vizinhos reclamaram do som alto na Praça Geraldo Peixoto de Sousa. A Força Tática foi ao local e fez um bloqueio: dois rapazes em uma moto tentaram furá-lo e acabaram machucados levemente. A situação, porém, revoltou os outros participantes do baile funk. Os agentes precisaram dispersar a multidão com gás pimenta.

PARA LEMBRAR

A prefeitura de Diadema, no ABC paulista, está elaborando um projeto para restringir os bailes funk. Segundo texto em análise pelo Executivo, as festas só poderão ocorrer até as 23h, em locais autorizados, e deverão ser comunicadas 20 dias antes. Também seria proibida a venda de bebidas destiladas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.