Bárbara Ferreira Santos
Bárbara Ferreira Santos

PM é atropelado na Paulista após confronto com assaltante

Suspeito foi baleado na nuca durante tentativa de fuga

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2014 | 18h34

Atualizado às 20h43.

Um policial foi atropelado e um suspeito baleado por volta das 15h desta quarta-feira, 29, na Avenida Paulista, em São Paulo. Duas faixas da esquerda da Paulista, no sentido Consolação, e uma da direita, no sentido Paraíso, ficaram interditadas das 15 horas até o início da noite, intensificando o trânsito na região. Às 17 horas, o trecho entre a Praça Oswaldo Cruz e a Alameda Peixoto Gomide, na Paulista, tinha 1,2km dos 1,8 km com lentidão.

Segundo a Polícia Militar, o criminoso estava em uma moto e roubou o relógio de um motorista de um Jeep preto, com placa de Fortaleza, Ceará, na Alameda Casa Branca. Depois de ser assaltado, o motorista avançou o carro contra a moto no cruzamento com a Paulista, o que fez o criminoso cair da moto.

Cerca de 20 policiais militares que estavam na base comunitária da polícia, ao lado do local do roubo, correram para tentar prender o assaltante. O criminoso fugiu pela Paulista pelo canteiro central ainda com o capacete na cabeça e foi perseguido pelos policiais. Ele foi atingido por PMs na nuca e caiu no chão. Foi depois encaminhado à Santa Casa e o estado dele é estável.

Atropelamento. Um militar, que saiu na captura dos suspeitos, pulou a grade de proteção da calçada. Ao ir para a rua, foi atropelado por um ônibus da SPTrans. O veículo, da linha 917H-10, fazia o trajeto Vila Mariana/Terminal Pirituba. O policial foi encaminhado ao Hospital das Clínicas e passa bem.

Segundo testemunhas, houve correria e gritaria durante a fuga do assaltante. "Quando o policial disparou, teve muita gritaria e os policiais pediram para todo mundo ir ao chão", disse.

O artista de rua Ricardo Barriá, de 23 anos, viu o momento em que o PM atirou no suspeito. "O policial estava na frente do Parque Trianon, na calçada e o suspeito estava no canteiro central com arma em punho. Quando o PM disparou, teve muita gritaria e os policiais pediram para todo mundo ir ao chão", disse o artista de rua Ricardo Barría, de 23 anos.

O caso foi registrado no 78ºDP (Jardins). O motorista do ônibus e o dono do Jeep prestaram depoimento no início da noite de ontem. O motorista, que não quis se identificar, estava nervoso e afirmou que não viu o policial pulando a grade em direção à Paulista. "Eu estava saindo do ponto de ônibus e o sinal estava verde. Eu não o vi, mas ele também não conseguia ver o ônibus porque a banca de jornal tampa a visão. Parei assim que ouvi o barulho da batida", afirmou. "Estava na minha primeira corrida de hoje, não imaginava que o dia ia acabar assim."

O dono do Jeep, que foi assaltado, estava acompanhado de um advogado e não quis dar entrevista.

Tudo o que sabemos sobre:
atropeladoPaulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.