PM diz ter reforçado patrulhamento em esquinas perigosas

Ladrões também agem nas proximidades dos estacionamentos; segundo coronel, 95% dos que reagem se dão mal

Josmar Jozino, Felipe Oda JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2010 | 00h00

O Comando Geral da Polícia Militar diz ter reforçado o patrulhamento nas esquinas com maiores incidências de assaltos a motoristas e nas proximidades de estacionamentos, onde ladrões de veículos costumam agir.

É um tipo de crime que preocupa, já que, segundo o comandante-geral da PM, coronel Álvaro Camilo, 95% das pessoas que reagem ao assalto se dão mal.

Ele orienta as vítimas a manter o controle, não entrar em pânico e se preocupar apenas com a integridade física. Segundo o coronel, na maioria dos assaltos, o criminoso também está nervoso. "É por isso que é importante não reagir. Se o ladrão mandar descer do carro, obedeça. Se exigir a carteira ou bolsa, avise que vai pegar o objeto. Qualquer gesto brusco pode ser fatal."

Camilo acrescenta que a vítima nunca deve encarar o assaltante, porque eles temem ser reconhecidos. Se notar algo sob a roupa do bandido, é sinal quase certo de que ele está armado.

A vítima deve avisar a Polícia Militar depois que o assaltante já se afastou e, se possível, dar detalhes da roupa e das características dele, além de indicar o local para onde seguiu.

Sem diálogo. O delegado-geral da Polícia Civil, Domingos Paulo Neto, diz que a vítima não pode tentar convencer o criminoso a mudar de ideia e desistir do roubo. "O importante é ficar tranquilo. Quanto menos diálogo com o criminoso, melhor. Se ele exigir dinheiro, pergunte se pode pegar a carteira. Os ladrões geralmente estão nervosos e drogados. Muitos são inexperientes e atiram por qualquer motivo."

Dos 23 roubos seguidos de morte em veículos registrados no terceiro trimestre deste ano, dez foram à noite, nove à tarde, três de manhã e um em hora incerta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.