Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

PM diz que comandante deixará de usar carro mais luxuoso que o de Alckmin

Reportagem do 'Estado' mostrou que é a 1ª vez em 10 anos que corporação deixou de usar viatura identificada

Estadão.com.br,

28 de abril de 2011 | 11h33

SÃO PAULO - A Polícia Militar de São Paulo informou nesta quinta-feira, 28, através de nota, que o comandante-geral da corporação, coronel Alvaro Batista Camilo, deixará de usar o GM Captiva como viatura oficial. Conforme reportagem do Estadão, o veículo custou R$ 92,9 mil e é mais luxuoso até do que o carro do governador do Estado, Geraldo Alckmin - o que estaria fora da lesgislação que prevê uma hierarquia de carros baseada no cargo.

 

Veja também:

linkComandante: 'Não é um carro mais luxuoso'

linkAmeaçados, secretários têm carros semelhantes

somEstadão ESPN - Comandante: 'Carros são utilitários'

forumPolícia Militar deve evitar carro sem identificação

 

Além do Captiva, mais 61 Vectras foram comprados para atender os coronéis da Polícia Militar. Ao todo, o gasto foi de cerca R$ 2,8 milhões com os veículos. Na nota, a PM afirma que "a viatura foi adquirida por licitação, dentro dos modelos permitidos para utilização no serviço público" e que foi escolhida um Captiva "por ser ágil, robusto e confortável para grandes deslocamentos".

Esta também foi a primeira vez em uma década que os oficiais mais graduados da PM voltaram a usar veículos descaracterizados. O que foi justificado pela corporação e pelo próprio coronel como um meio de os comandantes não perderem tempo em "ocorrências corriqueiras" durante os deslocamentos. Segundo a PM, o alto escalão era parado para dar informações quando utiliza viaturas identificadas.

 

Leia a íntegra da nota:

 

Em razão de abordagens feitas pela imprensa ao Cel Alvaro Camilo, Comandante Geral, durante reunião do Conselho Nacional dos Comandantes Gerais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares, na Expo Center Norte, por usar uma viatura GM/Captiva, e para não pairar dúvidas é importante esclarecer que:

 

- A viatura foi adquirida por licitação, dentro dos modelos permitidos para utilização no serviço público. A Captiva foi escolhida por se tratar de um veículo ágil, robusto e confortável para grandes deslocamentos, atendendo as necessidades do Comando Geral, vez que se desloca pelo Estado com frequência.

 

- Outro ponto de indagação foi a cor de fábrica das viaturas dos demais coronéis, medida estrategicamente definida pela Instituição para que o Comandante de Polícia, responsável por cerca de 3 mil homens em média, não se empenhasse em ocorrências corriqueiras nos seus deslocamentos, deixando essa intervenção para os programas de policiamento, sendo certo que em situações de gravidade ele sempre interfere.

 

Como a Polícia Militar é uma Instituição totalmente legalista, sendo o Comandante Geral é o seu representante maior e por pairar dúvidas quanto ao uso da Captiva, ele deixa de utilizá-la, a partir de hoje, 28 de abril, até que seja a situação seja esclarecida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.