PM detém 15 por 'obstrução ao trabalho'

No terceiro dia de protestos de camelôs no Brás, a Polícia Militar deteve logo pela manhã 15 vendedores ambulantes acusados de tentar impedir a abertura de lojas na região. Segundo o tenente-coronel da PM Benjamin Francisco Neto, eles foram autuados por "obstrução ao trabalho" em boletim de ocorrência registrado pela própria PM. Em seguida, porém, foram liberados, sem necessidade de comparecerem à delegacia.

O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2011 | 03h04

Como já havia ocorrido no dia anterior, a maioria dos comerciantes da região resolveu não abrir as portas de manhã em razão das manifestações, concentradas no entorno da Rua Oriente. Segundo o diretor do Sindicato dos Camelôs Independentes de São Paulo, Leandro Dantas, os ambulantes devem continuar a protestar contra as ações de Prefeitura e PM na Feira da Madrugada.

As manifestações têm seguido roteiro semelhante: iniciam-se na madrugada e se intensificam no início da manhã, período em que ocorreram os maiores conflitos entre camelôs e policiais. Nos últimos dias, os ambulantes ameaçaram lojistas e até saquearam lojas do Brás. Também chegaram a bloquear por dois dias consecutivos o trânsito na Avenida do Estado, uma das principais vias de acesso à região central da capital.

"Vamos continuar com nossas manifestações pacíficas. Não nos deram nenhuma alternativa além disso", afirma Dantas, o principal porta-voz dos ambulantes da região.

A próxima madrugada - de sexta-feira para sábado - é historicamente a de maior movimento na região, segundo Dantas.

"Estamos tentando controlar os manifestantes mais exaltados, mas sábado é o dia de maior faturamento (dos camelôs do Brás)", afirma. / PEDRO DA ROCHA, RICARDO VALOTA E RODRIGO BURGARELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.