Reprodução
Reprodução

PM atira em homem que tentava se matar em Itu

Aparentando estar em um surto psicótico, ele foi atingido no braço e na barriga pelo policial e está internado em estado estável

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

13 Novembro 2015 | 14h39

SOROCABA - Um policial militar deu dois tiros de revólver em um homem que tentava se matar com um facão nesta quinta-feira, 12, em uma avenida movimentada de Itu, no interior de São Paulo. Aparentando estar em surto psicótico, o homem também ameaçava atingir quem se aproximasse. Ele estava cercado por seis policiais e muitos curiosos, quando foi atingido pelos disparos no braço e na barriga.

O homem foi levado para o Hospital São Camilo, em Itu, e passou por cirurgia. No início da tarde desta sexta-feira, 13, ele permanecia internado em estado estável.

O comando da Polícia Militar de Itu disse que o policial agiu para preservar vidas, já que, além de ameaçar se matar, levando o facão ao pescoço, o homem estava agitado e poderia ferir outras pessoas.

Já o secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, considerou "precipitada" a atitude do policial e mandou a Corregedoria da PM apurar sua conduta. Moraes viu a ação em vídeos gravados por moradores e postados em redes sociais.

"Parece-me que era possível ter aguardado mais um pouco. Também não parece que havia risco iminente de agressão", disse o secretário.

A Corregedoria vai requisitar imagens e tomar o depoimento dos policiais que participaram da ação. De acordo com a advogada Liliane Gazzola, que já atuou na defesa do homem, ele é portador de distúrbio mental em razão da dependência de álcool e drogas.

O ex-cliente já respondeu a processos por crimes de furto e roubo. Em uma das ações, segundo ela, há um laudo médico atestando a síndrome de dependência por cocaína e transtorno mental por dependência química.

Mais conteúdo sobre:
São PauloHospital São Camilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.