PM acha arsenal em prédio da Aclimação

Polícia suspeita que dono alugava material para ladrões de caixas eletrônicos; ele foi preso e já havia sido acusado de assalto a banco

Leandro Calixto, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2010 | 00h00

Um vazamento de gás levou a polícia a descobrir um arsenal em um apartamento na Aclimação, região central de São Paulo. O dono das armas, algumas de uso exclusivo das Forças Armadas, foi preso em flagrante. A polícia suspeita que o acusado "alugava" o armamento para quadrilhas especializadas em assaltos a caixas eletrônicos de bancos de São Paulo e da Baixada Santista.

Os moradores de um prédio na Rua Bueno de Andrade sentiram forte cheiro de gás vindo do apartamento de Edmilson Nunes Júnior, de 32 anos. Os bombeiros foram chamados, arrombaram a porta e, ao entrar no apartamento 213, no 21.º andar do edifício, se depararam com 11 armas. Entre o armamento encontrado havia um fuzil calibre 7,62 mm, uma metralhadora, uma carabina calibre 44, sete pistolas automáticas 6,35 mm, um revolver calibre 38, além de carregadores de pistolas e munição. Com exceção de uma das pistolas, as outras armas têm registro no Exército. Ele foi preso pelo porte ilegal dessa arma irregular.

No imóvel ainda havia dois cilindros de gás, dois maçaricos, dois pés de cabra, 52 celulares, R$ 150 mil em cheques e dinheiro e duas identidades, uma falsa e outra verdadeira. Nunes chegou horas depois, quando um vizinho o avisou. No início do ano, foi acusado de participar de um assalto a banco na Baixada Santista, mas outro homem assumiu o crime, e ele foi liberado.

"Ele diz que é apenas colecionador, mas achamos estranho uma pessoa manter tudo isso em casa. É um verdadeiro kit arrombamento. Acreditamos que ele alugava as armas para quadrilhas especializadas em roubos a caixas eletrônicos", diz o delegado do 5.º Distrito Policial (Aclimação), Renato Felisone. O Exército confirmou que Nunes tem registro de colecionador.

Para a polícia, ele usava o apartamento para o depósito das armas. Nos últimos meses, o acusado não vivia mais com a mulher nem com o filho no local. "Ele disse que vivia em outro lugar, mas não falou qual", disse. Nunes deve ser encaminhado hoje para algum Centro de Detenção Provisória (CDP) na capital.

Fotografia. No apartamento, a polícia também encontrou um álbum de fotografias que, segundo investigadores, pode ser um indício de envolvimento do acusado com grupos criminosos. Uma das fotos mostra um garoto, que a polícia suspeita ser filho de Nunes, segurando um fuzil. Em outra, Nunes aparece em uma foto fazendo com as mãos as iniciais da facção Comando Vermelho.

Em depoimento, Nunes afirmou ainda ser dono de um caminhão. Com o veículo, disse, transporta combustível para todo o Estado. "Essa foi a forma que ele encontrou para justificar o dinheiro", completou o delegado. Dois advogados de bancos foram ontem ao 4.º DP recolher imagens do suspeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.