Playcenter: 16 feridos em choque de carrinhos

Acidente foi na montanha-russa; à noite, apenas uma vítima seguia em observação

Rodrigo Burgarelli, Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2010 | 00h00

O choque entre dois carros de montanha-russa no parque de diversões Playcenter, na zona oeste de São Paulo, deixou 16 pessoas feridas na tarde de ontem. Com sangramentos no nariz e escoriações na cabeça, as vítimas - ao menos dez crianças e adolescentes, de 10 a 16 anos - foram levadas ao Hospital Metropolitano, na Lapa. Segundo informou o parque, os ferimentos foram leves e, às 19 horas, 15 pessoas já haviam recebido alta.

O acidente aconteceu às 12h40, quando dois veículos da montanha-russa Looping Star, cada um com pelo menos 15 pessoas dentro, se chocaram na área de embarque e desembarque do brinquedo. Conforme relatos de testemunhas, o choque ocorreu quando um dos veículos parou para desembarque. O carro que vinha atrás não conseguiu frear e houve a colisão. De acordo com informações do parque, os veículos da Looping Star atingem até 90 quilômetros por hora.

Após passar por exames, uma pessoa continuava em observação ontem no Hospital Metropolitano, mas seu estado não é grave, segundo informou a Assessoria de Imprensa do Playcenter. O brinquedo - "com looping e curvas radicais", num percurso de 592 metros - foi desativado imediatamente e não voltou a funcionar. Segundo o Playcenter, a montanha-russa não voltará a ser ativada enquanto um laudo pericial não estiver pronto.

"A hipótese mais provável é de que o choque tenha sido causado por uma falha nos freios", disse o delegado Marco Aurélio Batista, do 23.º Distrito Policial.

Questionado se o problema foi causado por algum tipo de falha na manutenção, o delegado afirmou que somente o laudo do IC conseguirá apontar algo. Em nota, o Playcenter afirmou que "as vistorias pertinentes ao equipamento estavam em dia" e ressaltou que havia realizado ontem "vistoria, manutenção e testes de segurança de rotina".

Pânico. A estudante Bianca Oliveira Lima dos Santos, de 11 anos, chegou ao Playcenter e foi direto para a montanha-russa Looping Star. Esperou duas horas na fila até entrar no brinquedo. O dia de lazer terminou com o maxilar e o queixo fraturados. "Quando vi, tinha sangue saindo da minha boca", disse, na saída do Hospital e Maternidade Metropolitano.

Para passageiros dos dois carrinhos que se chocaram, o acidente ainda foi descrito como "um grande susto". "Foi um impacto leve, mas as crianças entraram em pânico e muitas choraram após o choque", disse o funcionário público Joedson Oliveira, de 30 anos, que veio de Carapicuíba com um grupo de 300 crianças de uma escola pública e estava em um dos veículos.

A coordenadora do grupo de Carapicuíba, Sonia Pereira, reclamou da demora no atendimento médico prestado pelos funcionários do Playcenter. "Demoraram uma hora para terminar o atendimento e levar para o hospital. Se fosse algo mais grave, os problemas teriam sido muito maiores", disse Sonia. "São crianças de baixa renda, que esperavam esse passeio. Vamos pedir ressarcimento do ingresso (R$ 55 por pessoa) para todas elas." Apesar do incidente, os outros brinquedos continuaram funcionando e o parque permaneceu aberto. / COLABOROU MARCELA SPINOSA

CRONOLOGIA

23 de novembro de 1995

Tenda de versão itinerante do parque, em São José, caiu e menina de 11 anos morreu.

10 de dezembro de 1995

Garoto de 11 anos caiu do Space Loop e fraturou o crânio.

17 de maio de 1996

Jovem de 16 anos sofreu mal súbito e morreu no brinquedo Tornado.

25 de janeiro 2002

Rapaz de 20 anos teve mão prensada no Looping.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.