Plano prevê 'extra' de um salário por ano a quem aderir

A adesão ao PDV da Câmara prevê indenização de um salário mensal por ano trabalhado. Funcionários mais antigos receberão mais. Com essa estratégia, a Câmara tenta convencer servidores que estão há mais de 25 anos na Casa, como eletricistas, barbeiros e engraxates - funções que perderam o sentido ao longo do tempo. O estudo encomendado pela Mesa Diretora assegura os direitos determinados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), como o pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a multa rescisória de 40% sobre esse saldo.

O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2012 | 03h03

Funcionários argumentam no entanto que, se aplicadas na caderneta de poupança, por exemplo, as indenizações não alcançam os salários recebidos mensalmente e, por isso, não valem a pena. "Quem está na Casa há 25 anos teria mais dois anos de segurança financeira, mas e depois?", questiona um servidor. O sindicato que representa os funcionários afirmou desconhecer a proposta, mas, de antemão, já se posicionou contra. /A.F. e D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.