Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Plano prevê demolição de viaduto da 14 Bis

Projeto de moradores e empresas para a Avenida 9 de Julho é entregue à Prefeitura

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

21 Maio 2011 | 00h00

Um projeto requalificação urbana elaborado a partir das ideias dos moradores da Bela Vista, no centro de São Paulo, quer reconstruir o trecho que é o "coração" do bairro: a Avenida 9 de Julho e a Praça 14 Bis. A maior das intervenções propostas é a demolição do Viaduto Plínio de Queirós, em cima da praça. O plano é transferir o corredor de ônibus dali para uma via subterrânea de 800 metros passando por baixo da praça.

A restrição total das vagas de estacionamento na pista local da Avenida 9 de Julho - a Rua Doutor Plínio Barreto - é uma das soluções para alargar a via e as calçadas daquele trecho.

Ainda não há orçamento estimado para a execução da obra. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano afirma que foi procurada para apresentação do projeto e algumas reuniões foram realizadas. Diz ainda que "uma análise preliminar indicou que a proposta merece uma avaliação mais profunda".

Um dos objetivos é deixar a parte da Avenida 9 de Julho que fica na região central da cidade no "modelo Jardins". Do outro lado da Avenida Paulista, já no bairro residencial, a via é bem mais conservada, com canteiros centrais organizados, muitas árvores e uma faixa exclusiva para ônibus que funcione. "O corredor de ônibus da 9 de Julho é central na parte Jardins. Na Bela Vista, perto do viaduto, passa a ser lateral por dois quilômetros, dividindo espaço com os carros", explica Adriana Levisky, arquiteta responsável pelo projeto.

Outro problema do corredor atualmente é a acessibilidade: só é possível chegar às paradas que ficam ao longo do viaduto por imensas escadarias. A solução para isso seria "mergulhar" o corredor de ônibus em um túnel sob a Praça 14 Bis.

Divisão. Um dos argumentos apresentados no projeto da arquiteta é que o Viaduto Plínio de Queirós é uma "barreira urbana" que divide o bairro. Derrubá-lo seria a única alternativa para integrar a Bela Vista com uma de suas regiões mais simpáticas e visitadas, o Bexiga.

"Já tivemos um retorno da Prefeitura falando que, tecnicamente, do ponto de vista da engenharia de tráfego e do transporte público, essa demolição é possível", diz Adriana.

Com a demolição do viaduto e a eliminação das vagas de estacionamento, o trecho no centro da 9 de Julho ganharia uma faixa de rolamento a mais em cada lado. "É importante que não se reduza a capacidade de fruição nem dos ônibus nem dos veículos", diz Adriana. A reorganização ainda deixa espaço para alargar as calçadas em 3 metros.

Outro problema urbanístico e social da região que a comunidade quer tentar resolver é a própria 14 Bis, hoje com pouca ou nenhuma utilidade aos moradores - coberta pelo viaduto e cheia de grades, é tomada por "noias" e moradores de rua quase o dia inteiro.

"Esse projeto é um sonho para a comunidade. Queremos aproveitar que a Prefeitura tem um plano de intervenção naquela área (a construção de um piscinão na 14 Bis) e propor uma reforma mais completa. Por que não juntar tudo?", pergunta Jorge Silveira Duarte, presidente de Assuntos Comunitários da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), uma das entidades envolvidas na associação formada por comerciantes e moradores do bairro, a Rede Social Bela Vista.

A Praça 14 Bis é conhecida por ser vítima antiga e recorrente das enchentes do verão. A construção do piscinão e a reforma das galerias da 9 de Julho são um projeto da Prefeitura que nunca saiu do papel e continua sem data para sair. A licitação já foi suspensa duas vezes, em 2005 e 2009, uma delas por irregularidades constatadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM). Neste ano, foi cancelada e não há mais prazo para nova licitação. A Prefeitura afirma que "a solução para o problema de drenagem na Praça 14 Bis é objeto presente de avaliação".

Comunidade. Integrante da Rede Social Bela Vista e fundadora do Museu da Memória do Bixiga, Maria Paula Puglisi afirma que a comunidade está empenhada em fazer o projeto acontecer. "Nos reunimos há mais de seis anos para pensar e desenvolver projetos para a região. Queremos que a revitalização da Bela Vista ajude a manter o bairro unido como sempre foi", conta ela, que é filha de um dos ícones da região, o idealizador do bolo gigante das comemorações do aniversário de São Paulo, Armando Puglisi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.