Plano libera prédios ao lado da Granja

Projeto que será votado em Carapicuíba prevê verticalização perto de condomínios de alto padrão e em área de proteção ambiental

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2010 | 00h00

Horizonte. Moradores de condomínios horizontais ja começam a ver, contrariados, edifícios subindo entorno de suas casas            

 

 

 

 

A prefeitura de Carapicuíba, na Grande São Paulo, vai enviar à Câmara Municipal um projeto de Plano Diretor que prevê a construção de prédios no entorno de condomínios de luxo, como a Granja Viana, e em áreas consideradas de proteção ambiental. O texto foi debatido ontem, na última audiência pública antes da elaboração da versão final da proposta, e provoca polêmica.

A prefeitura diz no projeto que o objetivo é promover "melhorias do padrão de urbanização". A área a ser verticalizada soma quase 600 mil metros quadrados em todo o município, de 35 km². O projeto chega ao Legislativo em setembro.

No entorno da Aldeia de Carapicuíba, área de preservação tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), os prédios já se destacam na paisagem. Lá, o Plano Diretor permitirá construções de até 12 metros, o equivalente a quatro andares, a 500 metros da Aldeia.

Nas demais áreas de reurbanização, no entanto, foi regulamentado apenas o tamanho dos apartamentos: 60 m² e 80m². O gabarito (limite de altura dos edifícios) não foi definido, deixando uma brecha para a chegada dos arranha-céus. "Precisamos nos adequar à nova realidade. Os prédios atendem à demanda de uma nova Carapicuíba", diz o o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação da cidade, Alexandre Pimentel.

Essa nova realidade é o aumento da população: hoje, Carapicuíba tem a terceira maior densidade demográfica do País, com 12 mil habitantes por km². Para o professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e consultor do plano, Nabil Bonduki, a verticalização "não é problema, é solução". "É melhor promover uma urbanização controlada, impedindo loteamentos irregulares, que deixar que a cidade cresça na desordem", alega.

O imbróglio, argumentam os moradores, é que o projeto de lei não é específico em pontos importantes, tanto na questão habitacional como na que diz respeito às Áreas de Proteção Ambiental (APAs). "O texto chegou com buracos em relação ao que foi discutido com a população, como se o território da cidade fosse homogêneo", diz o arquiteto Daniel Nobre. O texto fala em criação de áreas de proteção, mas não especifica os locais.

Outra questão polêmica são as regiões cobertas pela Mata Atlântica que foram fechadas por cancelas de condomínios. O plano prevê a cobrança de comissão aos condomínios para a criação de outros parques (áreas de lazer), para uso livre do público. O valor ainda não foi estipulado.

Moradora da Granja Viana, a aposentada Délia Costa acredita que a região não suporta a quantidade de moradores que devem chegar atraídos pelos edifícios. "Vai ter muita gente para pouca infraestrutura", afirma.

O que diz o projeto

Verticalização

Estabelecimento de um padrão de ocupação que permita a alta densidade construtiva e a verticalização

Estacionamentos

Incentiva a construção de

bolsões de estacionamentos tarifados e edifícios-garagem

Reurbanização

Desapropriação de áreas à

beira do córrego do Rio Cotia

Compras

Construção de shopping center

Ciclovia

Criação de uma ciclofaixa

interligando parques municipais

Transporte Urbano

Construção de corredores de ônibus e ampliação das alças de acesso à cidade

Serviços

Abertura de um Poupatempo

Ausente

Aguardado na última reunião do Plano Diretor de Carapicuíba, o prefeito Sérgio Ribeiro (PT) faltou ao evento. A assessoria da prefeitura disse que ele estava em um compromisso em outra cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.