Plano Diretor será votado na segunda-feira

Câmara marca para as 15h início da votação que definirá a reorganização do crescimento de São Paulo pelos próximos 16 anos

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

11 de junho de 2014 | 21h21

SÃO PAULO - A Câmara Municipal marcou para as 15 horas de segunda-feira, 16, o início da segunda e definitiva votação do Plano Diretor, proposta da gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) que reorganiza o crescimento de São Paulo pelos próximos 16 anos. Nos últimos dois dias, os vereadores decidiram travar a votação do projeto por estarem insatisfeitos, entre outros motivos, com a falta de ingressos para a abertura da Copa do Mundo.

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) promete mobilizar um protesto na frente do Legislativo na segunda-feira. Eles querem que o Plano Diretor transforme em Zona Especial de Interesse Social (Zeis) o terreno da ocupação Copa do Povo, a 4 km da Arena Corinthians, na zona leste. Isso permitiria a construção de moradias populares no local.

Em reunião com o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, na noite desta terça-feira, 10, o presidente da Câmara, José Américo (PT), levou uma demanda de líderes de bancada de separar a discussão sobre o terreno do resto do projeto. A defesa é feita principalmente pelos vereadores de oposição Andrea Matarazzo (PSDB) e Police Neto (PSD). Mas Boulos não aceita a cisão.

Na segunda-feira, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, fez com Boulos um acordo que prevê a construção de 2 mil moradias do programa Minha Casa Minha Vida no terreno, para as famílias acampadas no local desde maio. A obra seria feita pela Construtora Viver, dona do terreno. Isso evitaria que a Prefeitura gastasse dinheiro com a desapropriação da área, cujo valor é estimado em mais de R$ 200 milhões.

Na terça, os vereadores também não conseguiram acordo para iniciar a leitura do relatório final do Plano Diretor. 

No microfone do plenário, a vereadora Sandra Tadeu, líder do DEM, criticou o fato de a vice-prefeita Nádia Campeão, presidente do Comitê da Copa, ter enviado apenas 18 ingressos do jogo de estreia entre Brasil e Croácia para os 55 vereadores. “Se hoje tem essa Copa, foi porque esta Câmara quis”, discursou. Américo defendeu o fim dos ingressos de cortesia para qualquer evento. “Quem quiser que compre.”

Tudo o que sabemos sobre:
Plano Diretor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.