Plano de alerta ainda não tem autorização de gastos

Mais de 24 horas depois do anúncio oficial, a criação do Sistema Nacional de Alerta e Prevenção de Desastres Naturais seguia ontem sem autorização de gastos para começar a sair do papel. O projeto aprovado pela presidente Dilma Rousseff prevê a compra de 15 radares meteorológicos e 700 pluviômetros, além de um complexo mapeamento de 800 áreas de risco do País.

Marta Salomon, O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2011 | 00h00

Para começar a funcionar na próxima temporada de chuvas, o sistema vai precisar de autorizações extras no Orçamento de 2011, no momento em que o governo analisa cortes de gastos. Responsável pelo plano, o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, não divulgou estimativas. Na reunião com Dilma, falou-se em R$ 480 milhões.

O mapeamento das áreas de risco exigirá aeronaves equipadas com sensores a laser, segundo o projeto ao qual o Estado teve acesso. O documento sugere a convocação de Batalhões de Engenharia do Exército para o trabalho, que o texto chama de tarefa "hercúlea". O Ministério da Integração Nacional encomendou um levantamento das áreas de risco à Universidade Federal de Santa Catarina.

Depois disso, o supercomputador Tupã, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), processará informações, com apoio da rede de captação de dados meteorológicos.

A rede de coleta de dados por satélites existentes vai precisar crescer e se modernizar, de acordo com o projeto. Alguns equipamentos têm vida útil vencida há mais de dez anos e operam de forma precária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.