Planetários só devem reabrir no fim do ano

Prefeitura quer pôr equipamentos nos Parques do Ibirapuera e do Carmo sob gestão privada

TIAGO DANTAS, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2013 | 02h03

Os dois planetários da cidade devem voltar a ser abertos ao público somente no fim do ano. A Prefeitura pretende concluir em dezembro uma licitação para contratar uma empresa que será responsável pela administração dos dois equipamentos, localizados no Parque do Ibirapuera, zona sul, e no Parque do Carmo, zona leste.

A nova licitação é a aposta da administração municipal para manter os planetários funcionando sem interrupções. Nos últimos anos, sucessivos problemas provocaram o fechamento deles. A ideia é que uma empresa fique responsável por fazer a manutenção dos dois prédios e dos equipamentos, além de gerir a bilheteria.

Detalhes da licitação, como o valor do contrato, por exemplo, ainda não foram revelados pela Secretaria do Verde e Meio Ambiente. A pasta confirmou, por meio de nota, que trabalha com a previsão de que os planetários "sejam reabertos em 2013".

O planetário Aristóteles Orsini, no Ibirapuera, o primeiro do País, está fechado desde março. Durante uma tempestade, uma centelha de raio atingiu a rede elétrica que abastece o equipamento, de acordo com a Secretaria do Verde. O prédio foi inaugurado em janeiro de 1957 e é tombado pelo órgãos de defesa do patrimônio histórico do Estado e da Prefeitura. Apresentando problemas estruturais, o planetário foi interditado em 1999, quando começou a reforma que só terminaria em 2006.

A água também foi responsável por fechar o planetário do Carmo, segundo a Prefeitura. Construído por meio de um acordo com uma empresa de telefonia e inaugurado em 2005, o prédio ficou 13 meses aberto antes de apresentar problemas estruturais. Depois das obras, o ponto de observação só voltou a ser aberto em 2012. "O Planetário do Carmo atendeu, em caráter experimental, de agosto de 2012 até o fim de janeiro de 2013, com atividades para estudantes", informou a secretaria. Em janeiro, as atividades voltaram a ser paralisadas por um vazamento de água na área externa, na tubulação que liga a caixa d'água à edificação - e a falta de água "inviabiliza o atendimento ao público".

Moderno. A secretaria afirmou que está "adotando as providências para a contratação dos serviços necessários para solução do problema" no Carmo. Na época da inauguração, esse planetário era considerado um dos mais modernos do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.