Planetário é fechado após defeito em projetor

É a 1ª vez que aparelho alemão dá problema e ainda não existe prazo para reabertura

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2010 | 00h00

Sem aviso. Visitantes ficaram irritados com a falta de informação sobre o fechamento              

 

 

 

 

O Planetário Municipal do Ibirapuera, construído em 1957 dentro do parque mais visitado da capital paulista, na zona sul, fechou na sexta-feira por tempo indeterminado. A causa é um defeito no projetor Star Master ZMP - da marca alemã Carl Zeiss, comprado pela Prefeitura em 2006 por R$ 5,9 milhões - que impede a apresentação das sessões.

A falha no projetor central ocorreu justamente na véspera do fim de semana do Dia dos Pais, quando houve alta procura para as sessões de sábado e domingo (esperava-se vender todos os 1,8 mil ingressos disponíveis). Além disso, 12 escolas tiveram de desmarcar visitas de alunos já agendadas.

Para tentar solucionar o problema, um técnico da representante da Carl Zeiss no Brasil deve chegar a São Paulo na semana que vem - só então será possível saber o prazo de reabertura de um dos principais planetários do País, segundo a Secretaria do Verde e do Meio-Ambiente, responsável pelo equipamento.

Como foi realizada manutenção em julho, não há suspeitas sobre o que pode ter causado "instabilidade no projetor" na sexta. É a primeira vez que o aparelho apresenta problemas desde que foi adquirido, em 2006, na reabertura do planetário. Enquanto não for verificado qual o dano, segundo a pasta, estão suspensos a venda de ingressos e o agendamento para público escolar. Segundo dados da Prefeitura, cerca de 350 mil pessoas visitam o planetário anualmente.

Desinformação. No prédio do planetário, localizado próximo do portão 10 do Parque do Ibirapuera, não há avisos de que as apresentações estão suspensas. No fim de semana, um comunicado foi colocado na frente do prédio, mas, "para evitar alarme", foi retirado anteontem. Também não há informações nos sites do Parque do Ibirapuera e da Secretaria do Verde e do Meio-Ambiente sobre a interrupção do funcionamento.

A falta de informação confundiu e irritou visitantes. "A essa altura, já deveriam ter avisado em rádios, na internet, e, no mínimo, no próprio parque. É uma questão de respeito, evitaria que eu perdesse a viagem até aqui", disse o administrador de empresas Alexandre Albuquerque, de 38 anos, que foi até a bilheteria do planetário na tarde de ontem em busca de ingressos para o fim de semana.

A Secretaria do Verde não informou os motivos para a inexistência de divulgação do problema - limitou-se a dizer que "a bilheteria e a central de vendas do planetário estão informando a situação ao público". Também afirmou que "banners com sinalização" serão colocados "nos próximos dias".

Importância. O projetor alemão - composto por 48 projetores auxiliares que criam imagens de planetas, estrelas e constelações e podem exibir vídeos - coloca o Planetário do Ibirapuera entre os mais importantes da América Latina. "Além da importância para a astronomia do País, é importante que o aparelho seja consertado logo, por oferecer um passeio cultural de custo baixíssimo (R$ 5 a entrada inteira; R$ 2,5 para estudantes) para os padrões da cidade", disse o diretor do Clube de Astronomia de São Paulo, Denis Zoqbi, que realiza eventos mensalmente no planetário. "Não surpreende, considerando que é equipamento mecânico, que pode apresentar problemas. Pelo que ouvimos, a manutenção é realizada em dia."

A Escola Municipal de Astronomia, que funciona no mesmo prédio, não suspenderá suas atividades, independentemente dos problemas no projetor.

Alfândega

Importado da Alemanha, o projetor Universarium III (foto)foi comprado em 1952 e ficou retido na alfândega do Porto de Santos até a inauguração do planetário, em 1957

Lâmpadas

Entre as reformas de 1991 e 1996, o projetor chegou a usar lâmpadas retiradas do farol de um Fusca, pois as peças originais pararam de ser fabricadas. Em 1997, um novo em folha foi comprado, mas ficou guardado à espera do planetário da zona leste.

Troca

Depois de sucessivas reformas e mais de 7 anos sem funcionar, o Universarium III, da Carl Zeiss, foi substituído em 2006 pelo Star Master ZMP, da mesma marca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.