Planetário do Parque do Carmo reabre sem projetor nem público

Equipamento, avaliado em R$ 15 milhões,precisa de peças novas; não há prazo para que entre em operação

Cristiane Bomfim, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2010 | 00h00

Marcada para a tarde de ontem, a reabertura do Planetário do Parque do Carmo, na zona leste, tinha programação especial: às 14h, exibiria um filme que conta a descoberta e utilidade do telescópio. Ninguém apareceu.

Fechado desde fevereiro de 2007, o local passou por reforma que durou um ano e quatro meses e abriu as portas sem projetar o céu. É que o projetor Universarium Zeiss VII/XIV precisa de peças novas. De acordo com a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, não há prazo para que o projetor entre em operação. Em nota, a pasta afirmou que recebeu um orçamento da empresa alemã Carl Zeiss - fabricante do equipamento - na última sexta-feira e que já deu "andamento ao processo de compra das peças".

Procurada, a Ominis Lux Astronomia, representante da Carl Zeiss no Brasil, afirmou que já enviou sete orçamentos para a troca de peças do projetor e não teve retorno. A vistoria no equipamento ocorreu em dezembro de 2009. O primeiro documento com valor das peças foi entregue em janeiro para a Secretaria do Verde e Meio Ambiente.

A pasta diz que os orçamentos estavam "incorretos" e que por isso não foram aceitos. O projetor é um dos mais modernos do País. Avaliado em R$ 15 milhões, foi comprado em 1996 e só funcionou por 13 meses.

Como não tem projetor, o planetário terá por enquanto programação de vídeos e palestras. "Infelizmente, hoje (ontem) não tivemos público. A divulgação não foi ampla", diz o chefe da escola municipal de astrofísica, Marcos Calil. A reabertura foi anunciada no Twitter do planetário, no site da Prefeitura e no Parque do Carmo.

PARA LEMBRAR

Aparelho ficou armazenado por oito anos

O projetor do Planetário do Parque do Carmo foi comprado em 1996, logo após o anúncio de sua criação. Mas uma série de contenções de gastos adiou a construção do prédio. Enquanto isso, o equipamento ficou armazenado de maneira errada, o que o danificou. A obra foi entregue em 2004, mas foi preciso fazer reparos no projetor e ele só começou a funcionar em 2005. Voltou a fechar em fevereiro de 2007, por causa de falhas estruturais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.