Pitty faz cover de Cobain

O melhor momento do show dos Detonautas, na última noite do Rock in Rio, fica a critério do leitor. Pode ser a hora em que o bufão Tico Santa Cruz, roqueiro e celebridade de TV, famoso por ter sido expulso do reality show A Fazenda 3, aconselha: "Minha mãe já dizia: 'filho, se você se acha feio, compre uma guitarra que as coisas vão mudar'". A pérola foi lapidada em seguida, com "Quem aqui é desprivilegiado de beleza, levante a mão", acompanhado por um mar de braços. Mas a noite era jovem e Tico ainda esticaria sua rotina de baboseiras até o final do show, que, já que vem ao caso, foi muito menos interessantes do que suas declarações.

ROBERTO NASCIMENTO, ENVIADO ESPECIAL / RIO, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2011 | 03h03

O próximo lance de perigo veio perto do final, quando Tico, inebriado pelo delírio da massa, declarou: "Agora nós vamos derrubar aquela roda gigante ali. Vamos causar um terremoto e derrubar aquela porra". O cantor apontava para o inofensivo brinquedo temático, próximo à saída, que até o fechamento desta edição, continuava lá. Talvez o leitor opte pela série de evocações além-túmulo feita por Tico, a começar pela introdução de We Will Rock You, do Queen.

Em seguida, Tico lembrou Raulzito, para o delírio das gerais, com um cover de Metamorfose Ambulante. A trinca se completou ao término do show, quando o cantor resolveu lembrar, equivocadamente, os vinte anos da morte de Kurt Cobain (na verdade, são vinte anos do lançamento de Nevermind). De repente, a clássica introdução de Smells Like Teen Spirit surgiu. A reportagem chegou a pensar que era um cover e finalmente o Detonautas se redimira. Mas não, era o disco do Nirvana mesmo, e Tico pulava para agitar a galera, fazendo o seu melhor "air" Kurt Cobain. Nesta hora, o bom senso finalmente clamou: desce daí, Tico, pelo amor de Deus!

Mais interessante foi o show de Pitty, que embora presa a clichês de hardcore, comandou alguma dinâmica em seu som, indo de hits de arena tais como Comum de Dois, a covers como Se Você Pensa, de Roberto Carlos. O show começou pesado e variou durante sua progressão, chegando a um clímax na ótima Me Adora. A letra de autoajuda vale uma aspa: "Não sei mais o que eu tenho que fazer pra você admitir que você me adora. Que me acha foda. Não espere eu ir embora pra perceber".

Às 21h40, uma outra moça de cabelão e gosto por metal subiu ao palco. Evanescence era a banda e Amy Lee, a vocalista. E o grupo mostrou como se faz metal de emo. Com isso, a constatação de que Pitty é um subproduto de Amy Lee ficou inevitável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.