Pista principal de Congonhas não será reaberta na terça-feira

Segundo presidente da Infraero, perícia da Polícia Federal atrasa e impede a reabertura da pista

Camilla Rigi e Tânia Monteiro, do Estadão,

23 de julho de 2007 | 15h15

O presidente da Empresa Brasileira de Infra Estrutura Aeroportuária (Infraero), brigadeiro José Carlos Pereira, voltou atrás e afirmou que a pista principal do Aeroporto de Congonhas não vai mais reabrir para operações nesta terça-feira, como havia dito ao estadao.com.br.   Veja também: Lista de vítimas do acidente do vôo 3054  O local do acidente  Quem são as vítimas do vôo 3054  Histórias das vítimas do acidente da TAM  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Acidentes em Congonhas  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054   Segundo o brigadeiro, houve atrasos nos trabalhos de perícia da pista que precisa ser reparada antes de ser liberada. Ele disse que a chuva forte que cai em São Paulo atrapalha a realização no trabalho de recuperação da pista.   O brigadeiro não concorda com o fechamento completo do aeroporto como quer o Ministério Público Federal e espera apresentar amanhã os seus argumentos para a justiça de São Paulo.   Mais cedo, Pereira repudiou a proposta de intervenção internacional para solucionar a crise aérea no País, proposta pela Federação Internacional dos Controladores Aéreos (Ifatca, sigla em inglês), no domingo, 22. "A Ifatca não tem autoridade técnica e moral para falar isso", declarou o brigadeiro José Carlos Pereira.   Para ele, a proposta é "inaceitável". Pereira considera ainda que a atitude é uma "intromissão" em um assunto nacional e que nenhum país admitiria que o Brasil propusesse a mesma coisa.   No domingo, a Ifatca afirmou que o governo brasileiro "não tem a capacidade" nesse momento de dar um fim aos problemas sem a ajuda da comunidade internacional, já que está "preso" em um debate político interno e tentando equilibrar as necessidades de reforma com o próprio poder da Aeronáutica.   Questionado sobre a reabertura sem o grooving, que auxilia na drenagem do asfalto em dias de chuva, Pereira afirmou que a pista principal será reaberta mesmo sem a estrutura. Segundo o presidente da Infraero, as ranhuras serão feitas durante a madrugada; a cada dia de trabalho, 40 metros de pista receberão o grooving. Como a pista principal tem 1.900 metros, os trabalhos devem durar cerca de 47 dias.  

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.