Pista de Congonhas reabre para pousos

Após horas sem operação, Congonhas recebe vôo da Gol, que ontem boicotou pista

Paulo Zulino, do estadao.com.br, Pedro Dantas e Evandro Fadel, do Estadão,

24 de julho de 2007 | 10h09

Depois de quase três horas sem operar, o Aeroporto de Congonhas foi reaberto para pousos às 8h56, segundo a assessoria de imprensa da Infraero. O primeiro a aterrissar naquele horário foi o vôo 1327, da Gol, vindo de Recife. Durante a manhã, o aeroporto operava normalmente tanto para pousos como para decolagens, sem o uso de instrumentos.    Veja a lista de vôos cancelados e alternados da TAM desta terça  Infraero diz que pista de Congonhas pode ser reaberta na 4ª  Procure as companhias aéreas antes de seguir viagem   Saiba quais são os seus direitos   O último balanço da Infraero dava conta de que, das 6 horas às 9 horas, dos 57 vôos previstos, dois sofreram atrasos superiores a uma hora e 30 foram cancelados. A explicação para esse grande número de cancelamentos é devido à alternância de aterrissagens em outros aeroportos, conforme decidiram na segunda-feira a TAM e a Gol.   Assim, o pouso em Congonhas de um vôo vindo, por exemplo, do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, e que é alternado para Cumbica, Guarulhos, é automaticamente cancelado e passa a ser um vôo entre o Salgado Filho e o Governador André Franco Montoro.   Checagem   A Infraero informa ainda que técnicos da empresa realizaram pela manhã uma vistoria na cabeceira da pista principal 17 R, atingida ontem por um deslizamento de terra provocado ainda pelo choque com o Airbus da TAM que se acidentou no local. De acordo com a assessoria de imprensa, não há previsão de quando deve ser encerrado o trabalho.   No Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Cumbica, Guarulhos, as operações de pousos e decolagens continuam sendo feitas por instrumentos em razão do nevoeiro existente na região.   Apesar disso, os números fornecidos pela Infraero davam conta de que a situação é melhor se comparados aos do último fim de semana. Da zero hora até 9 horas, dos 78 vôos programados, nenhum foi cancelado. Outros sete tiveram atrasos maiores do que uma hora. Mesmo com a neblina, Cumbica não chegou a fechar nenhuma vez desde sua abertura.   Rio de Janeiro   Enquanto isso, o Aeroporto Santos Dumont, que concentra os vôos da ponte aérea Rio-São Paulo, operava com o auxílio de instrumentos por conta da manhã chuvosa e com neblina no Centro da cidade.   Entre as 14 decolagens, metade foi cancelada e três estão atrasadas. Das oito aterrissagens programadas, três foram canceladas e duas estão atrasadas.   Curitiba   O Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, apresentou, até as 9 horas da manhã, cancelamento em 30% das 33 operações previstas desde a zero hora.   Foram dez cancelamentos. Outros sete vôos, ou 21% do total, registraram atraso superior a uma hora. Em razão da neblina, o aeroporto ficou fechado das 21h30 de ontem até os 35 minutos da madrugada desta terça-feira. Depois passou a operar com ajuda do sistema ILS categoria 1 até as 2h55 da madrugada. Desse horário até as 9 horas, as operações eram feitas por instrumentos.

Mais conteúdo sobre:
CongonhasCrise Aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.