Pirituba é aposta para trazer a SP a Expo 2020

Segundo Kassab, bairro terá 'maior centro mundial de feiras, convenções e exposições'

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2010 | 00h00

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) afirmou ontem que a área em Pirituba cotada para a construção de um complexo de eventos poderá receber a Expo 2020, caso São Paulo seja escolhida sede do evento. O local, que segundo Kassab será "o maior centro de feiras, convenções e exposições do mundo", é também o plano B para a Copa do Mundo em São Paulo se o Estádio do Morumbi não for aceito pela Fifa.

Após assinar um termo de cooperação técnica com a Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Kassab disse que o projeto do complexo na zona norte está em fase final de formatação. "Muito possivelmente ela (Expo) poderá ser lá em Pirituba também. Ela é abrangente, pode estar espalhada pela cidade, mas Pirituba poderá ser um centro dessa Expo."

Segundo o prefeito, será formalizado um pedido ao governo federal para São Paulo representar o Brasil como candidata à sede da Exposição Universal, que ocorre a cada cinco anos e dura seis meses. "Estamos bastante otimistas", disse Kassab. "A cidade de São Paulo, no Brasil, é a que melhor se prepara para ser a sede de grandes eventos."

Em 2011, as cidades interessadas devem apresentar as candidaturas. Em 2013, os projetos são apresentados e há a eleição da sede do evento em 2020. Caso São Paulo ganhe, o Brasil será o primeiro país a receber a Expo no Hemisfério Sul, segundo o secretário de Relações Internacionais, Alfredo Cotait Neto.

Infraestrutura. O papel da Abdib será buscar parcerias privadas e auxiliar a Prefeitura a elaborar estudos de viabilidade do evento. "A vinda da Expo Mundial para o Brasil representa uma tríplice coroa em termos de eventos mundiais, que são Copa do Mundo, Olimpíada e a Expo. São os três maiores eventos do mundo", afirmou o presidente da associação, Paulo Godoy.

Mas para vencer, segundo ele, a cidade terá de se preparar, assim como ocorreu com as candidaturas à Copa e à Olimpíada, planejadas com apoio da entidade. "Temos de fazer um esforço para apresentar uma boa candidatura e começar a delinear tudo que precisaria ser feito, a estrutura da cidade para poder concretizar o projeto."

Segundo Godoy, as áreas que devem ser prioritárias em investimentos são telecomunicações, energia, hotelaria e mobilidade. Em Xangai, onde a exposição está ocorrendo neste ano, a rede de metrô passou de 210 para 420 quilômetros em dois anos, o aeroporto foi reformado e novas vias foram abertas. Em outras cidades-sede, como Lisboa, a Expo de 1998 contribuiu com a infraestrutura urbana e requalificação de áreas deterioradas.

Kassab não definiu o montante necessário para o evento. "Qualquer que seja o investimento, ele será superavitário. A cidade ganha com os grandes eventos. Eles preenchem a rede hoteleira, fazem com que as pessoas consumam, e a exposição dura seis meses, portanto, é muito lucrativo para qualquer cidade."

Brasil em Xangai. Alfredo Cotait Neto afirmou que o pavilhão paulistano é um dos mais visitados da Expo Xangai, que começou dia 1.º e vai até outubro. "Tive informação de que mais ou menos 5 mil pessoas por dia visitam o pavilhão." No dia 3 de junho, o evento comemora o Dia do Brasil, com show de Carlinhos Brown e Mart"nália e outras atividades. No dia 4, será celebrado o Dia de São Paulo.

A próxima Expo será em 2015, em Milão, que já foi a sede do evento em 1906.

PONTOS-CHAVE

Londres, 1851

A primeira de todas as exposições universais ocorreu no Palácio de Cristal, na capital inglesa, e foi chamada de Grande Exposição dos Trabalhos da Indústria de Todas as Nações

Paris, 1900

Entre as atrações estavam a construção dos Petit e Grand Palais (foto), a inauguração da primeira linha de metrô, o uso da eletricidade para ambientes externos e a Olimpíada

Xangai, 2010

Com 190 países participantes e 50 organizações internacionais, em uma área de 5,28 km2, a exposição chinesa é a maior da história. Em seis meses, deve receber 70 milhões de pessoas (foto)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.