DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Piora no trânsito nas marginais é por 'confiança na economia', diz Doria

Prefeito não soube explicar, no entanto, o motivo de o tráfego ter melhorado na região central da cidade

O Estado de S.Paulo

20 Maio 2017 | 12h44

SÃO PAULO - A piora no trânsito das marginais em São Paulo no primeiro trimestre deste ano é consequência da "confiança na economia" dos paulistanos, que começaram a utilizar mais seus automóveis. Essa foi a avaliação feita pelo prefeito João Doria (PSDB) na manhã deste sábado, 20, durante ação de zeladoria do programa Cidade Linda.

"Um pouco mais de confiança na economia de pessoas que não estavam usando os seus carros durante a semana, apenas nos finais de semana. E em relação às marginais, também. Isso reflete exatamente esse movimento", disse. Questionado sobre a melhora no trânsito na região central da cidade, o prefeito disse ter achado o fato "estranho", mas não o justificou. 

Reportagem do jornal Folha de São Paulo desta semana mostrou que a média de vias congestionadas na capital caiu 10% no rush da manhã e 36% no da tarde no primeiro trimestre do ano, em relação ao mesmo período de 2016. Mas na Marginal do Tietê houve uma piora de 75% de manhã e de 14% à tarde. Na Marginal do Pinheiros, a variação foi de 4% e 0,5%, respectivamente, de acordo com o jornal. A tendência é semelhante tanto considerando os primeiros três meses de Doria, como só os dois meses posteriores ao aumento dos limites de velocidade nas marginais, que foi uma das bandeiras eleitorais do prefeito e instaurado em 25 de janeiro deste ano.

Doria disse ainda que, com a crise política instaurada desde a divulgação dos áudios que comprometeram o presidente Michel Temer (PMDB), há possibilidade de que o tráfego volte a melhorar. "Agora, talvez em função desta situação política que gera um certo alerta, pode ser que isso iniba um pouco o fluxo daquelas pessoas que têm automóvel. Mas dentro da normalidade".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.