Pinheiros, Vila Mariana e Morumbi: os mais visados por ladrões de condomínio em SP

Estudo mais abrangente já feito aponta que bandidos usam fuzis, submetralhadoras e preferem atuar na quarta-feira; de 2005 a 2009, 313 criminosos foram acusados de ataques

Marcelo Godoy, de O Estado de S. Paulo

20 de maio de 2010 | 00h01

SÃO PAULO - Três assaltantes invadem um condomínio na zona sul de São Paulo. Os ladrões são violentos. Dominam um morador e escapam da polícia. O caso, que ocorreu ontem, é o retrato do perfil desse crime em São Paulo. É o que revela o maior e mais profundo estudo feito até hoje sobre roubos a condomínios horizontais e verticais no Estado.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif 4 em cada 5 prédios roubados têm segurança

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Edifício atacado reforça sistema de proteção

 

O assalto de ontem teve lugar em um dos bairros mais visados pelos ladrões: o Morumbi. Os dados do estudo mostram que Pinheiros (1.º lugar), Vila Mariana (2.º) e Morumbi (3.º) lideram esse ranking na cidade. Os criminosos mais armados e organizados concentram-se na capital. Eles usam fuzis, submetralhadoras e - mais uma das coincidências - preferem atuar na quarta-feira, dia que concentra 19,96% dos casos registrados.

 

 

 

Responsável pelo trabalho, a Coordenaria de Análise e Planejamento (CAP) dissecou 317 casos registrados no Estado de São Paulo entre 2005 e 2009. A explicação para a concentração dos roubos nas zonas oeste e sul da capital e em cidades como Campinas e Sorocaba é fácil para a polícia. "O ladrão vai onde o dinheiro está", afirmou o delegado Antonio Carlos Heib, da Delegacia Especializada em Combate a Roubos e Condomínios do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic).

 

A proliferação desse tipo de crime levou o secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, a criar, em setembro de 2009, uma delegacia especializada nesse tipo de delito. Depois disso, 14 (66,6%) dos 21 casos de arrastão registrados na capital foram esclarecidos pelos policiais do Deic. Muitos dos ladrões de condomínio atuais são velhos conhecidos de Heib, gente que ele buscava quando trabalhava na Divisão Antissequestro.

 

Perigosos. "São bandidos perigosos. Migraram de um crime para outro", disse Heib. A pesquisa mostra que, de 2005 a 2009, 313 criminosos foram acusados desse tipo de crime no Estado - a maioria é branca (40,4%) e tem apenas o ensino fundamental completo (32%). As ações dos bandidos se dividem quase que igualmente entre condomínios verticais (52,8% dos casos) e horizontais (44,4%).

Tudo o que sabemos sobre:
condomíniosviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.