Pimenta Neves passa a noite sozinho em cela de delegacia em São Paulo

Advogada de defesa levou café da manhã para o jornalista; SAP ainda não confirma para onde ele será levado

Elaine Freires, da 'Estadão ESPN' ,

25 Maio 2011 | 08h33

SÃO PAULO - O jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves, condenado pela morte da ex-namorada, a também jornalista Sandra Gomide, ficou sozinho em uma cela após se entregar à polícia na noite desta terça-feira, 24. Ele passou a noite andando de um lado para o outro dentro da cela que tem apenas colchonetes. Segundo José Carlos de Melo, delegado titular do 2° Distrito Policial, o jornalista está em uma cela de cerca de 5 m² e está em uma cela separada por questões de segurança.

 

Veja também:

linkApós notícia, pais tomam remédio para dormir

linkPimenta Neves se entrega à polícia

linkNeves afirma que estava esperando pela prisão

 

Pimenta Neves recusou o café da manhã oferecido na delegacia, pão com manteiga e café com leite, e por volta das 9 horas da manhã, sua advogada, Maria José da Costa Ferreira, levou um café da manhã com frutas, frios, pães e suco. Ela não falou com a imprensa e disse que concederá entrevista no início da tarde.  

O jornalista deve ser transferido para um presídio ainda nesta quarta-feira, 25. A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) disse que só irá informar para qual presídio ele será encaminhado quando começar a transferência. Neves foi transferido, às 23h30 de ontem, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no centro da capital paulista, para a carceragem do 2º DP, no Bom Retiro, no centro de São Paulo.

Após as possibilidades de recurso da defesa acabarem, o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu ontem que Neves deve começar a cumprir a pena de 15 anos de reclusão em regime inicialmente fechado pelo assassinato de Sandra. O jornalista ficou detido entre setembro de 2000 e março de 2001.

O assassinato ocorreu em 20 de agosto de 2000, em um haras na cidade de Ibiúna, em São Paulo. Na época do crime, o casal tinha rompido um relacionamento de quase três anos. Os dois trabalharam no Estado. Pimenta foi diretor de redação e Sandra editora do caderno de Economia. Ela foi morta por dois tiros.

 

Atualizada às 12h

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.