Pílula de graça a partir desta quarta em metrô e trem de SP

Estimativa é que os postos entreguem 3,5 mil anticoncepcionais todos os meses

11 de julho de 2007 | 15h24

Começa nesta quarta-feira, 11, a distribuição de cartelas de anticoncepcionais nas 20 farmácias Dose Certa, localizadas nas estações de metrô, trem, um terminal de ônibus e hospitais de São Paulo. A partir das 8 horas, quem apresentar receita médica de alguma unidade pública de saúde poderá retirar a pílula grátis. Na prescrição do médico, é preciso constar o principio ativo do medicamento: etinilestradiol 0,03 mg e levonorgestrel 0,15 mg."A oferta das pílulas é uma complementação dos serviços oferecidos pela Prefeitura. Por isso, a receita tem de ser de um médico do Sistema Único de Saúde (SUS)", afirmou Ricardo Oliva, superintendente da Fundação para o Remédio Popular (Furp), órgão do governo estadual, responsável pela distribuição dos remédios em São Paulo.Para abastecer as 20 farmácias, o governo estadual comprou 15 mil cartelas de pílulas. A estimativa é que os postos entreguem 3,5 mil anticoncepcionais todos os meses. No mês que vem, os estabelecimentos Dose Certa também vão fornecer a pílula do dia seguinte, último recurso para evitar a gravidez indesejada. A entrega das pílulas será acompanhada de folhetos explicativos e 12 camisinhas.Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a distribuição faz parte do Programa de Saúde da Mulher. As Unidades Básicas de Saúde (UBS), atualmente, já entregam a pílula de graça. "São mais locais disponíveis. É uma forma de garantir que a mulher, em hipótese nenhuma, fique sem a pílula", disse Oliva.Também está prevista a entrega de medicamentos contraceptivos - tradicionais e de emergência - para as cidades do Interior do Estado. Dos 645 municípios paulistas, 630 já solicitaram as pílulas.As farmácias Dose Certa funcionam nas estações do Metrô Ana Rosa, Barra Funda, Brás, Carrão, Clínicas, Itaquera, Santana, Saúde, Sé, Tucuruvi e Vila Mariana. Na CPTM, estão nas estações Santo Amaro, Guaianases, Piqueri e Perus, além terminal de ônibus São Mateus e quatro hospitais: Itaim Paulista, Sapopemba, Pedreira e Ambulatório Geraldo Bourroul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.