Pilotos do Airbus dizem que foi difícil pousar em Congonhas

Dois pilotos da TAM que conduziram o Airbus A320 nos dias 15 e 16 deste mês, antes do acidente da semana passada,  afirmaram hoje (24), em depoimento no 27º Distrito Policial, no Campo Belo, em São Paulo, que tiveram muita dificuldade para pousar e frear a aeronave na pista principal do Aeroporto de Congonhas. Segundo o delegado da Polícia Civil Antônio Carlos Menezes Barbosa, os pilotos disseram que "a aeronave estava em perfeitas condições" e atribuíram o acidente às condições da pista."Ele [o piloto] disse que a falta de ranhuras prejudica sensivelmente o pouso das aeronaves nesse local", afirmou o delegado, em entrevista coletiva na tarde de hoje. De acordo com Barbosa, no depoimento, os pilotos garantiram que é possível pousar o avião com um só reverso funcionando. O reverso é um equipamento de vôo que vai acoplado à turbina do avião, para auxiliar na redução da velocidade durante o pouso. Barbosa também ouviu hoje os dois técnicos da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) que fizeram a inspeção na pista principal momentos antes do acidente. O delegado disse que os técnicos confirmaram ter feito uma "inspeção ocular" na pista, das 17h01 às 17h21, e disseram que havia condições de pouso. "Segundo o relato deles, não havia lâmina de água na pista. [A pista] Estava molhada, mas não havia lâmina, motivo pelo qual acabou sendo liberada para o pouso". De acordo com Barbosa, os técnicos disseram que cerca de 40 pousos foram feitos na pista principal momentos antes do acidente sem qualquer an ormalidade. Ele informou que pretende seguir, ainda hoje, com as oitivas de familiares de vítimas do acidente, que estão instalados em hotéis da capital. A expectativa de Barbosa é ouvir cerca de 90 familiares até amanhã (25). Barbosa informou também que solicitou do Aeroporto de Porto Alegre imagens gravadas pelo terminal no momento do check-in, para ajudar nas investigações, que segundo ele, não devem ser concluídas em menos de um ano. O Airbus  A320 da TAM fazia, no último dia 17, o vôo  JJ3054,  vindo de Porto Alegre, e explodiu ao se chocar com o prédio onde funcionava o terminal de cargas da empresa, em frente ao Aeroporto Internacional de Congonhas. Segundo a TAM, morreram 186 pessoas que estavam no avião. Funcionários que estavam no terminal de cargas também morreram.','').replace('','') -->

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.