TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

'Pichador não é artista. É agressor', diz Doria

Em entrevista ao 'Estado', prefeito de São Paulo afirma que está preocupado com 'tudo o que é importante para a cidade'

Entrevista com

João Doria

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2017 | 03h00

A Secretaria Estadual da Segurança Pública destacou o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), grupo da Polícia Civil especializado nas investigações contra o crime organizado, para identificar pichadores de rua que atuam na capital paulista. O crime, que é na verdade um delito ambiental, virou alvo de uma “cruzada” capitaneada pelo prefeito João Doria (PSDB). Em entrevista ao Estado, Doria defende ações da Prefeitura. 

Por que o senhor declarou guerra aos pichadores?

Amo a arte. Sou totalmente a favor da arte urbana, com muralistas e o grafite. Só entendo que precisa ter disciplina. Não pode a cidade inteira estar grafitada. Até porque estabelece uma conexão com aqueles que julgam o que fazem como arte. E não é. Pichador não é artista. É agressor.

Mas por que entrar nisso? 

É como se um museu não pudesse estar dentro de um museu. Tivesse de ser a cidade inteira como museu. O fato de ter um museu implica em ter um ambiente adequado, seguro, para que as pessoas possam admirar a arte. A ideia é criar amplas áreas na cidade, para que eles possam expressar e revigorar sua arte, para que você possa ter um café, comprar uma camiseta, uma reprodução dessa obra, criar sustentabilidade para grafiteiros e muralistas. 

O senhor gosta de algum grafite na cidade? 

Gosto muito do (Eduardo) Kobra. Acho brilhante, competente, justifica o fato de ele ter internacionalizado suas obras. E Osgêmeos, que estão a maior parte do tempo nos Estados Unidos. 

Há alguma pichação que o incomodou mais? 

A ponte estaiada (Ponte Octavio Frias de Oliveira, na zona sul). Aquilo foi um absurdo. Um dos símbolos da cidade. Era uma questão de honra limpá-la. Não há pessoas de bem que possam aprovar essa destruição. Estamos pedindo que denunciem os pichadores.

Não é um tema banal diante de outros problemas? 

Estou preocupado com tudo o que é importante para a cidade. Minha obrigação é cuidar da cidade. Não há nada que mude minha decisão de ser um grande zelador. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.