Piada instantânea

Expectativa

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2012 | 03h04

Quem foi o tarado que comprou a coleção de sapos de Clodovil Hernandes no bazar da casa de praia do falecido? Só se fala disso em Ubatuba!

Cachaceiros são os outros

Discursando em Salvador, Dilma Rousseff trocou "Cajazeiras" por "Cazajeiras" nas seis vezes em que citou o bairro onde acontecia o comício do candidato do PT à prefeitura da cidade. Depois se justificou: "Tem horas em que eu fico tatibitati, mas é de emoção por estar com vocês!" Se fosse o Lula, a oposição ia dizer que ele tomou umas e outras antes de subir no palanque!

Ninguém merece

É dura a vida dos juízes do STJ! Nesta terça-feira, por exemplo, eles julgam pedido de aumento da pensão de R$ 18 mil que Fernando Collor paga à ex-mulher Rosane. Ninguém merece, né não?

Volta, Rubinho!

Rubinho Barrichello acabou sua primeira corrida na Stock Car em 22º lugar, provando que é melhor na Fórmula Indy, onde, por sua vez, não foi tão bem quanto na F1. Vai acabar voltando às origens! No kart, dizem, ele era imbatível!

Outra tribo

A índia americana que o papa Bento 16 canonizou no fim de semana não é a Pocahontas! E não se fala mais nisso, ok?

O tempo voa

A gente percebe que está ficando velho quando passa numa banca de revistas e vê as fotos da festa dos 15 anos dos trigêmeos de Fátima Bernardes e William Bonner.

Foi-se o tempo em que a Turma do Casseta & Planeta podia dizer "piada não é como mulher - tem dono" sem parecer, além de politicamente incorreto em demasia, pretensioso por evocar autoria de anedota de ocasião num país de gaiatos, em plena era das redes sociais.

Não dá para afirmar com precisão quem primeiro chamou Luis Fabiano de "Chupetinha" no Twitter depois que ele desperdiçou aquele pênalti contra o Flamengo em cobrança precedida pelo detalhe de alguma coisa que Vagner Love cochichou ao pé do ouvido do artilheiro são-paulino.

Qualquer semelhança com a história de Adauto em Avenida Brasil é, decerto, mera coincidência, mas o jogo de domingo ainda não havia terminado e já corria solta na internet a versão de que o Fabuloso, assim como o personagem da novela da Globo, se desconcentrou quando o adversário tocou em seu ponto fraco, o apelido que entrega o segredo de um hábito infantil não abandonado na vida adulta.

Não importa quem inventou a piada instantânea, "é melhor eu não bater mais pênalti", decidiu Luís Fabiano. Sabe que, se perder mais uma cobrança, a torcida não o perdoará: "Chupetinha, Chupetinha...!"

Quem?

De Fidel Castro, comentando rumores sobre seu estado de saúde: "Não lembro sequer o que é uma dor de cabeça!" Do irmão, Raúl, ele ainda guarda uma vaga lembrança!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.