PF prende em SP israelense procurado pela Interpol

Elior Noam Hen é acusado de torturar crianças como método de ensino em seita religiosa

Fabiana Marchezi, estadao.com.br

04 de junho de 2008 | 16h16

O israelense Elior Noam Hen foi detido pela Polícia Federal por volta das 22h30 de terça-feira, 3, sob acusação de utilizar de meios cruéis para educar e corrigir crianças. De acordo com a PF, Hen era procurado pela Interpol em todo o mundo e foi preso no bairro do Bom Retiro, na região central de São Paulo. Os maus tratos teriam sido cometidos em Israel por motivos religiosos. O homem está preso no prédio da Superintendência da PF em São Paulo, no bairro da Lapa, na zona oeste, onde aguardará o julgamento do pedido de extradição feito pelo governo de Israel perante a Corte Suprema do Brasil. O israelense é considerado líder e mentor espiritual de um dos piores casos de abuso infantil de Israel, utilizando de tortura como método de correção de comportamento de crianças com a finalidade de "expulsar o demônio de seus corpos". Ainda segundo a PF, Hen, também conhecido como Eliyahu Abuhazira, freqüentava uma Sinagoga no Bom Retiro, em São Paulo, sendo certo que a Congregação Israelita de São Paulo, após saber das torturas, advertiu aos representantes religiosos proibindo os cidadãos da comunidade judaica de dar abrigo ou acobertar o fugitivo. Em 26 de maio, a representação da Interpol localizou a esposa do israelense, juntamente com seus quatro filhos, que foram apresentados ao Juiz da Vara da Infância e Juventude da Capital.  Por se tratar de fanatismo religioso os "ensinamentos" de Hen são potencialmente destinados aos seus próprios filhos, razão pela qual o Juiz da Infância interveio preventivamente, apreendendo as crianças temporariamente, como forma de resguardar a integridade física e psicológica dos quatro menores. A ordem de prisão preventiva para extradição foi expedida pelo Supremo Tribunal Federal no último dia 5 de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.