PF é acionada para evitar fuga de acusados pela morte de Mércia

Para delegado do caso, no entanto, é improvável que Mizael e Evandro escapem porque não têm passaporte

Marília Lopes, Central de Notícias

08 Dezembro 2010 | 14h59

SÃO PAULO - O delegado Antonio de Olim, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou na tarde desta quarta-feira, 8, que a Polícia Federal (PF) já foi acionado para impedir uma possível fuga do advogado Mizael Bispo de Souza e o vigia Evandro Bezerra Silva por portos e aeroportos brasileiros. Os dois são procurados pela Polícia Civil desde ontem, após terem a prisão preventiva decretada pela Justiça de Guarulhos, na Grande São Paulo. Eles são acusados pela morte de Mércia Nakashima, ex-namorada de Mizael, em maio deste ano.

 

Veja também:

linkAcusados de matar Mércia vão a júri

 

Olim disse não acreditar em uma fuga para outro país. "Mizael e Evandro não têm passaporte", afirmou. O delegado informou que a atuação da PF no caso será apenas para impedir uma possível fuga dos procurados passando pelos postos de polícia na fronteira do País, mas que não há nenhuma ação conjunta, "a função de executar o mandado de prisão é da Polícia Civil", disse Olim.

 

As buscas por Mizael e Evandro continuam hoje. O advogado de Mizael, Samir Haddad, afirmou ontem que seu cliente não irá se entregar e que estava em Guarulhos. "Ele deu uma sorte imensa. Me ligaram avisando que poderia ter sido decretada a prisão e ele não voltou pra casa." Ele irá recorrer da prisão preventiva de Mizael na próxima semana. O advogado afirmou ainda que seu cliente não é fugitivo.

 

Segundo Haddad, a principal razão para Mizael não se entregar, segundo seu advogado, é grande vergonha que isso causaria. "Também há possibilidade de violência física e psicológica", acredita Haddad. Caso o habeas corpus seja negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, cliente e advogado irão analisar o que fazer.

Mais conteúdo sobre:
caso Mércia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.