Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PF começa a distribuir primeiro lote de passaportes retidos

Solicitantes estão sendo chamados por e-mail; previsão é de que novos lotes cheguem aos postos na semana que vem

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2017 | 17h36

SÃO PAULO - A Polícia Federal (PF) começou a distribuir nesta quarta-feira, 26, o primeiro lote de passaportes após a suspensão do serviço. Segundo o órgão, os solicitantes já estão sendo chamados por e-mail para buscar os documentos nos postos da PF. 

A assessoria de imprensa da PF em São Paulo informou ao Estado que, neste primeiro lote, estão tanto passaportes solicitados a com base em ordens judiciais quanto documentos que seguiram o trâmite comum. O órgão não soube precisar quantos passaportes foram recebidos pela PF da Casa da Moeda desde quarta. A estimativa é de que novas caixas cheguem aos postos da PF na próxima semana. 

O professor universitário André Demetrio, de 26 anos, foi um dos que conseguiu pegar o passaporte na tarde desta quinta-feira, 27, véspera de viajar para Portugal a lazer. Ele conta que entrou em contato com a Casa da Moeda e, pelo número de rastreio do documento, descobriu que o passaporte estaria disponível no posto da PF em Criciúma, interior de Santa Catarina, onde fez a solicitação. 

"Quando eu já estava na PF, recebi um e-mail falando que meu passaporte estava pronto", conta. Apesar do alívio, o professor  amarga um prejuízo de cerca de R$ 300, taxa necessária para remarcar para esta sexta o voo que estava previsto para hoje.

"Fiz a solicitação no dia 19 de junho e entreguei os documentos no dia 30 (quando o serviço de emissão já estava suspenso). É um sentimento de emoção. Nem acreditei quando pus a mão no passaporte. Estava apreensivo porque me programei com antecedência", conta. 

A Casa da Moeda retomou a fabricação de passaportes na segunda-feira, 24, mas estimava em cinco semanas o prazo para normalizar as entregas, que seguirão a ordem cronológica dos pedidos. A fila até o final da semana passada, após 25 dias de suspensão do serviço, era de 175 mil solicitações pendentes. 

A demora na entrega do documento frustrou quem foi aos postos da PF no início desta semana em busca de informações sobre os prazos. 

A Casa da Moeda prometeu, em nota publicada na última sexta-feira, turnos extras e trabalhar “24 horas por dia e sete dias por semana” para a normalizar totalmente serviço, que foi suspenso pela PF por alegada “insuficiência orçamentária”.

A retomada da emissão de passaportes só ocorreu após o governo federal liberar R$102,3 milhões de crédito extra. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.