PF apreende mais de uma tonelada de cocaína em São Paulo

Dois surinamenses e um brasileiro foram presos; drogra foi encontrada em um galpão na cidade de Itatiba

Rodrigo Pereira, de O Estado de S.Paulo,

21 de março de 2008 | 20h26

A Polícia Federal estourou um galpão com mais de uma tonelada de cocaína, nesta sexta-feira, 21, em Itatiba, a 80 quilômetros de São Paulo. Os surinameses Mahinderparkash Chuttoo e Marripersad Jhingoeri foram presos em flagrante armazenando o entorpecente em caixas que seriam enviadas para a Europa. Essa é a maior apreensão da droga feita no Estado em cinco anos.    O brasileiro João Mendonça Alves, de 38 anos, apontado como responsável pela "logística de exportação" da droga, foi detido à tarde em sua casa, em Itaquera, zona leste da capital.   O trio, que foi monitorado pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) por dois meses, enviava a cocaína a partir do Porto de Santos, declarando as remessas como álcool em gel, utilizado para manter aquecida comida de bufê. "Eles usavam a nota de exportação e, às vezes, enviavam legalmente o álcool para despistar a fiscalização", explicou o delegado Mário Menin Júnior, que comandou a operação.   Os surinameses, que estavam legalmente no País, colocavam caixas com cerca de 11 quilos de cocaína cada em embalagens maiores. A tonelada apreendida tinha como destino a Holanda e a Polônia. Foi preciso utilizar duas caminhonetes, uma picape e o porta-malas de uma minivan para trazê-la a São Paulo.   Os policiais ainda não descobriram se a droga era originária da Bolívia ou da Colômbia. Sabem que ela entrava no Brasil escondida em grandes baterias, utilizadas em caminhões. Os tijolos de cocaína eram envolvidos em mantas de chumbo, para dificultar a identificação por máquinas de raio X.   Os três foram indiciados por tráfico internacional de drogas e associação ao tráfico, com penas previstas de cinco a oito anos de prisão. A PF busca agora eventuais chefões do esquema.

Tudo o que sabemos sobre:
cocaínatráficoSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.