Receita Federal/Polícia Federal
Receita Federal/Polícia Federal

PF acha 1,2 tonelada de cocaína em rolos compressores no Porto de Santos

Só este ano, foram apreendidas 17 toneladas de entorpecente em áreas do terminal portuário

José Maria Tomazela , O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2018 | 10h10

SOROCABA - Uma operação conjunta da Polícia e da Receita Federal apreendeu quase 1,2 tonelada de cocaína escondida em rolos compressores que seriam embarcados para a África, no Porto de Santos, no litoral paulista. As três máquinas que continham a droga estavam no terminal marítimo da Margem Direita do porto, aguardando o içamento a bordo do navio cargueiro Grande África. O destino dos equipamentos seria o Porto de Abidjan, em Costa do Marfim, mas a Polícia Federal acredita que a carga do entorpecente seguiria para a Europa.

A cocaína foi achada nesta segunda-feira, 17, após o serviço de inteligência da PF detectar um possível embarque de drogas escondidas em contêineres que seguiriam para o exterior. Com o apoio da alfândega, os agentes detectaram marcas de soldagem recente nos rolos compressores. Os equipamentos foram abertos com a ajuda de maçaricos. O trabalho para a retirada da droga durou cerca de 12 horas. A cocaína pura estava embalada em forma de tabletes. Os rolos compressores eram usados, o que pode indicar que serviriam apenas para o transporte da droga. A PF informou que investiga, com a Receita, quem seriam os emissores do carregamento, mas não deu detalhes da apuração.

A apreensão é mais um indicativo de que o Porto de Santos se converteu numa das principais portas de saída da droga produzida em países da América do Sul, fronteiriços com o Brasil, para a Europa, usando como escala portos africanos. Só este ano, foram apreendidas 17 toneladas de entorpecente em áreas do terminal portuário - grande parte já embarcada em navios. Em todo o ano passado, foram apreendidas 11,5 toneladas. Conforme a Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados (Abtra), o narcotráfico e outras práticas de descaminho vêm sendo combatidos com o uso de tecnologia, que inclui escâneres de cargas com alta precisão, como o usado para detectar a droga no interior dos rolos compressores.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.