Petrópolis lança campanha para reaquecer turismo

Com menos mortos na tragédia do que Nova Friburgo e Teresópolis, cidade frisa que centro histórico não foi destruído

Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2011 | 00h00

Duas semanas após a enxurrada que matou 827 pessoas (segundo dados de ontem da Polícia Civil) na região serrana do Rio, um dos municípios afetados iniciou campanha para atrair visitantes, informando que a destruição ocorreu "longe dos pontos turísticos e prédios tombados do centro histórico". "Petrópolis Tá Legal" é o mote da campanha institucional lançada pelo prefeito Paulo Mustrangi (PT) no Museu Imperial, principal atração turística da cidade. Após a tragédia, o público do museu caiu 90% em relação a janeiro de 2010.

Petrópolis contabilizava até ontem 67 mortes, 45 desaparecidos, 5.696 desalojados e 188 desabrigados. Foi o terceiro município em número de vítimas, bem abaixo de Nova Friburgo (395 mortes) e Teresópolis (329).

"Visitantes e turistas precisam saber que "Petrópolis Tá Legal"", frisa a prefeitura no texto de apresentação da campanha. O município destaca que as chuvas atingiram "áreas isoladas, como Vale do Cuiabá e Boa Esperança, que ficam entre 10 e 15 km do centro comercial do distrito de Itaipava e mais longe ainda do centro histórico".

O turismo representa um quinto da economia do município. A prefeitura informa que "apenas cinco dos mais de cem equipamentos de hospedagem foram atingidos". Segundo a Fundação de Cultura e Turismo de Petrópolis, 79% das reservas de janeiro foram canceladas em 25 hotéis. Outra pesquisa, realizada em 20 hotéis pelo Petrópolis Convention & Visitors Bureau, informa que 87% das reservas para o carnaval foram canceladas, totalizando prejuízo de R$ 1,6 milhão.

Doações. O Corpo de Bombeiros do Rio informou ontem que recolheu e distribuiu 359 mil litros de água e 334 toneladas de alimentos não perecíveis e produtos de higiene pessoal às vítimas na região serrana. As doações foram feitas nos 106 quartéis da corporação no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.