Petistas voltam a criticar PSDB e DEM por causa de enchentes

Deputados José Eduardo Cardozo e Ricardo Berzoini usaram Twitter para atacar gestões de Kassab e Serra

Elizabeth Lopes, da Agência Estado,

08 de dezembro de 2009 | 20h37

O Rio Tietê voltou nesta terça-feira, 8, a estar no epicentro do caos provocado pelas fortes chuvas que atingiram a capital paulista e, mais uma vez, serviu de bandeira política para a disputa pré-eleitoral que vem sendo travada, sobretudo por PT e PSDB. No microblog twitter, lideranças do PT, como o deputado José Eduardo Cardozo (SP) e o presidente do partido, deputado Ricardo Berzoini (SP), voltaram a criticar a gestão tucano-democrata.

 

Veja também:

blog Blog do Trânsito: acompanhe ao vivo a situação das ruas

especialEspecial: Relembre as principais enchentes dos últimos dez anos

mais imagens Galeria de fotos do caos em São Paulo

especialMapa multimídia localiza pontos alagados na cidade

linkPlano de governo de Kassab não deu atenção a enchentes

linkInvestimentos contra enchentes dão resultados, diz Kassab

linkIda ao trabalho vira missão impossível

 

Cardozo afirmou que "a situação calamitosa em São Paulo tinha três razões: condições climáticas, falta histórica de planejamento urbano e descaso das autoridades". Berzoini preferiu dizer que os gastos em propaganda previstos no Orçamento da Prefeitura, administrada pelo democrata Gilberto Kassab, um dos principais aliados do virtual candidato tucano à Presidência nas eleições de 2010, José Serra, superam em muito o previsto para investimentos em obras e gerenciamento de áreas de risco. "São Paulo está parada de novo por causa da chuva. A gestão Kassab aumenta o IPTU, aumenta a despesa com propaganda e não cuida da cidade."

 

As obras de ampliação das faixas das Marginais Tietê e Pinheiros também estiveram no foco das críticas. O Rio Tietê, uma das grandes bandeiras da administração tucana na cidade, deve continuar rendendo polêmica e muita discussão. Do lado dos tucanos e democratas, o porta-voz foi o próprio prefeito Kassab, que atribuiu o caos provocado pelo alagamento das marginais à forte intensidade das chuvas. O ex-secretário das Subprefeituras da gestão Kassab, o tucano Andrea Matarazzo, também seguiu na mesma linha de atribuir os alagamentos ao elevado volume de chuva em um único dia.

 

Este é o segundo grande alagamento do Rio Tietê neste ano. Em setembro, as fortes chuvas também provocaram interdições em vários pontos das marginais. Na ocasião, o governo paulista descartou que os pontos de alagamento tivessem relação com as obras que estão sendo executadas e a explicação foi também o volume elevado de chuva.

 

Outro grande alagamento que parou a cidade de São Paulo ocorreu em maio de 2005, na gesto tucana de Geraldo Alckmin, ex-governador e atual secretário de Desenvolvimento do governo Serra. Na época, coincidentemente também um ano pré-eleitoral, Alckmin lançava as bases para sua candidatura à Presidência da República e a Prefeitura era administrada por José Serra, que também se preparava para a disputa ao governo do Estado.

 

As imagens da inundação serviram de munição para os adversários dos tucanos, sobretudo o PT, atacarem em suas propagandas a gestão em torno do Rio Tietê, que era uma das grandes bandeiras tucanas.

Tudo o que sabemos sobre:
SPchuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.