Péssimo atendimento

SERVIÇOS FALHOS DA TVA

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2012 | 03h03

Estou sem o serviço da TVA (TV e internet) há 1 semana, assim como outros moradores do meu condomínio, na Aclimação. Gostaria de tornar público o quanto essa empresa desdenha de seus clientes. Depois de horas intermináveis ao telefone e de falar com 8 atendentes - que prometeram solucionar o problema e não o fizeram - consegui o contato com uma supervisora. Ela prometeu resolver a questão, mas esqueci que era 1.º de abril. Todos mentiram descaradamente: disseram que enviaram técnico, mas não havia ninguém em casa, e garantiram que o problema não era na unidade, mas no prédio, e que iriam resolvê-lo. Chegaram a ponto de visitar um morador, identificar que o problema era no edifício e nada fizeram. Enquanto isso, nós, otários, pagamos e não recebemos o serviço. Recebemos apenas o péssimo atendimento.

SILVIA CARNEIRO / SÃO PAULO

A TVA informa que, após visita técnica, o serviço está em pleno funcionamento. Quanto ao atendimento prestado, a operadora pede desculpa pelo ocorrido e esclarece que irá apurar internamente o fato. A TVA esclarece ainda que, na fatura de maio de 2012, constará desconto correspondente ao período em que o serviço esteve indisponível.

A leitora comenta: O problema foi resolvido, mas só depois que botei a boca no trombone e acionei o Estadão. O motivo foi a queima de um transmissor da TVA no edifício (problema que só detectaram após visita ao local, o que disseram ter feito antes e não o fizeram, mentindo de novo). O que não tem volta é o tempo perdido com as intermináveis e estressantes ligações. A TVA precisa urgentemente melhorar o atendimento aos seus clientes.

VAZAMENTO DE GÁS

Cobranças não chegaram

No dia 12/2 um vizinho me alertou que vazava gás da minha casa, ao se dirigir ao meu jardim. Segui a orientação da Comgás e o problema foi resolvido no dia seguinte. Relatei à concessionária que não recebera as contas de janeiro e fevereiro. Eu só soube do gasto excessivo de gás de janeiro ao entrar no extrato do banco e verificar um aumento de 600% em relação ao gasto normal, de fevereiro - cuja cobrança chegou após o vencimento. Como fico, já que o vazamento se deu no jardim, onde não é possível percebê-lo? E sobre as cobranças? Entrei em contato com a Ouvidoria da Comgás e fui alertado de que o único meio de não ter o gás cortado é pagar o débito dos 2 meses - indevido - de R$ 1.090,54. Solicitei a verificação pela empresa do meu consumo médio nos últimos 12 meses e do local do vazamento, mas a Comgás se restringe a parcelar a cobrança!

ALEXANDRE C. CAMPOS NETTO

/ SÃO PAULO

A ouvidora da Comgás, Ana Oliveira, informa que no dia 12/2 foi identificado pela equipe emergencial um vazamento de gás localizado nas instalações internas da residência do consumidor. Ele recebeu as orientações para o reparo, pois a responsabilidade pela manutenção preventiva e corretiva das instalações internas é do usuário, conforme legislação vigente. Em 13/2, foi restabelecido o fornecimento. Houve a verificação das contas de gás do imóvel antes e depois do evento, porém não foi encontrada irregularidade.

O leitor relata: Acumulei 42 protocolos referentes às tratativas inúteis sobre a não entrega das contas, que ocasionaram todo o problema. Paguei para não ter o gás cortado.

CET

Dúvidas são ignoradas

Há meses o pneu do meu carro furou na Av. Ricardo Jafet. Para não correr riscos, coloquei duas rodas na calçada para trocá-lo. Surgiu uma agente da CET que me humilhou diante de várias testemunhas e depois aplicou multa. Em dezembro, passei pela mesma situação na Av. 23 de Maio e, para não parar sobre a calçada, rodei com o pneu furado até encontrar uma saída, o que ocasionou a perda do pneu. Enviei e-mail à CET, pedindo orientações sobre como proceder se passar por pane automobilística numa avenida de grande movimento. Minha solicitação só recebeu um número de protocolo. A CET só quer multar!

CELSO MARCHI / SÃO PAULO

A CET informa que o Código de Trânsito Brasileiro estabelece que todo condutor que tiver que parar o seu veículo em uma via pública em situação emergencial deve sempre fazer a sinalização no viário. Deve acionar as luzes de advertência (pisca-alerta), providenciando a colocação do triângulo de sinalização ou equipamento similar à distância mínima de 30 metros da parte traseira do veículo, em local de boa visibilidade.

O leitor indaga: Numa grande avenida devo aguardar pelo socorro ou subir na calçada? É claro que é preciso pôr o triângulo, como o fiz, mas, mesmo assim, fui agredido pela agente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.