Perueiros de escolas municipais fazem manifestação por reajuste salarial

Os manifestantes ocuparam parte das avenidas Radial Leste e Paulista e se dirigem para a Prefeitura; categoria diz que não tem aumento há oito anos

Clarice Cudischevitch , O Estado de S. Paulo

16 Maio 2013 | 09h02

SÃO PAULO - Condutores do Transporte Escolar Gratuito (TEG) fazem uma manifestação por reajuste salarial na manhã desta quinta-feira, 16. A categoria não tem aumento de salários há oito anos e alega que a previsão orçamentária para o serviço, oferecido pela Prefeitura para estudantes da rede municipal que moram a mais de 3 km da escola, não é suficiente. O orçamento deste ano destina R$ 127 milhões ao TEG, tanto para o convencional quanto para o especial, reservado a estudantes que apresentam algum tipo de deficiência.

A cidade de São Paulo tem 12.012 condutores do TEG, que transportam 71 mil crianças diariamente. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, todos os anos os perueiros são empregados com contratos emergenciais. "Isso é inaceitável, pois estamos falando de um serviço que envolve crianças", afirma uma porta-voz da secretaria. Atualmente, a maioria dos condutores é autônoma ou pessoa jurídica (PJ), mas a secretaria prevê uma mudança no sistema de licitação.

Na quarta-feira, 15, os perueiros tiveram um encontro com o prefeito Fernando Haddad, que afirmou não ter como atendê-los, uma vez que já há um déficit no orçamento da prefeitura e não há recursos para o aumento pedido. Ainda assim, segundo a porta-voz, os transportadores esperam, para os próximos 15 dias, uma resposta do Tesouro Municipal que prestigie a categoria.

Os manifestantes partem de três regiões da cidade em direção à prefeitura. Ainda não há como estimar quantos perueiros aderiram ao protesto. Um número grande de transportadores se concentrou em Interlagos. Os outros saíram do Campo de Marte e de Aricanduva. Segundo a CET, eles ocupam, neste momento, parte da Radial Leste, próximo à Rua Almirante Brasil, e da Avenida Paulista, próximo à Avenida Bernardino de Campos, no sentido centro.

Mais conteúdo sobre:
perueiros escolas manifestação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.