DOUGLAS PINGITURO/FUTURA PRESS
DOUGLAS PINGITURO/FUTURA PRESS

Peruche e Pérola voltam à elite do samba

Peruche, escola do Bairro do Limão, na zona norte, ficou em primeiro lugar com 269,4 pontos; Pérola Negra, agremiação da Vila Madalena, na zona oeste da capital, caiu no ano passado

O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2015 | 21h14


SÃO PAULO - A Unidos do Peruche e a Pérola Negra foram as duas primeiras colocadas do Grupo de Acesso e vão desfilar em 2016 no Grupo Especial. A Mancha Verde e a Tom Maior foram rebaixadas e deixam a elite do carnaval. 

Com o enredo Karabá e o Menino do Coração de Ouro, a Unidos do Peruche, escola do Bairro do Limão, na zona norte, ficou em primeiro lugar com 269,4 pontos. “A gente tinha um grande desafio, porque ficamos em último lugar no carnaval passado. Fizemos um enredo sobre a transformação, sobre o crescimento, e a comunidade abraçou (a ideia)”, disse o carnavalesco Murilo Lobo.

O desfile do Grupo de Acesso foi realizado no domingo sob tempestade. “Foi uma jornada muito intensa e ainda encaramos a chuva”, afirmou Lobo.

A chuva também atingiu o sambódromo do Anhembi durante a divulgação das notas do Grupo de Acesso, mas, pouco antes de ela começar, a organização do evento colocou integrantes e presidentes das agremiações no palco.

Foi entre lágrimas e gritos que os componentes da Pérola Negra receberam a notícia de que a escola estava de volta para a elite do samba. A agremiação da Vila Madalena, na zona oeste da capital, caiu no ano passado. “O carnaval foi muito disputado. Passamos por muitas dificuldades, mas a comunidade é muito boa”, elogiou o presidente da escola, Geraldo Bezerra, o Dinho. O enredo deste ano foi sobre as pérolas.

Diretor da escola, Alessandro Pikachu disse que a Pérola Negra vai lutar para se manter na elite das escolas. “A gente vai trabalhar dobrado para continuar no (Grupo) Especial. Os setores estão crescendo. A união foi o ponto fundamental para a gente ter conseguido voltar.”

Mais conteúdo sobre:
CarnavalSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.