José Reis/O Imparcial
José Reis/O Imparcial

Perto de Venceslau, polícia fecha estrada e amplia patrulhamento

Apesar do clima, a expectativa era de que as visitas seriam mantidas sábado e domingo nas penitenciárias

Chico Siqueira, Especial para o Estado

27 Fevereiro 2014 | 23h59

ARAÇATUBA - As notícias sobre uma possível fuga de líderes do PCC levaram a Polícia Militar a entrar em alerta e a fechar nesta quinta-feira, 27, o acesso de 400 metros que liga a Rodovia Raposo Tavares (SP-270) à entrada da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. Além do Comando de Operações Especiais (COE) que mantém 15 homens numa mata próxima do presídio, a Tropa de Choque e o Grupo de Intervenção Rápida (GIR), que atua para combater motins, estão de prontidão.

Do lado de fora, os homens do COE têm reforço da PM, que atua há cinco dias na fiscalização de suspeitos dentro da cidade e principalmente de carros nas estradas da região. Na quinta-feira, 27, o helicóptero Águia, da PM, passou o dia todo sobrevoando os presídios da região oeste, incluindo penitenciárias de Mirandópolis, Lavínia e Valparaíso. Apesar do clima, a expectativa era de que as visitas seriam mantidas sábado e domingo nas penitenciárias.

Vulnerabilidade. Os agentes dizem que a notícia sobre o poder do PCC em invadir as penitenciárias com helicópteros não assusta nem aumenta a vulnerabilidade. "A gente já vive em constante vulnerabilidade há muito tempo, com a superlotação, pois há presos demais e faltam agentes. Além disso, somos todos os dias agredidos pelos presos. Tenho amigos que evitam sair sozinhos ou com a família à noite. Estamos aqui, à mercê dos bandidos, nem armas temos. A gente depende de outros órgãos de segurança e o que podemos fazer é entregar nossas vidas nas mãos de Deus", disse um agente que trabalha na P1 de Mirandópolis.

Ele só estranha não haver rebeliões. "Aqui, por exemplo, falta água na penitenciária e, mesmo assim, eles estão quietos", disse o mesmo agente.

Mais conteúdo sobre:
PCC Marcola plano de fuga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.