Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

Perto de 0°C, SP tem queixa sobre abrigo, ‘coberta’ de papelão e solidariedade

Rotina de assistência se repete há 30 anos e une famílias; madrugada de domingo foi a mais fria do ano, com termômetros marcando 5°C de média na capital

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

08 de julho de 2019 | 03h00

SÃO PAULO - Às 8 horas do sábado que antecedeu a noite mais frio do ano, dona Odete já estava de pé colocando 40 quilos de arroz e 100 quilos de frango na panela. Junto a outros voluntários, a aposentada de 64 anos começava ali a cozinhar as 800 refeições que seriam distribuídas mais tarde para moradores de rua da região central de São Paulo.  

A ação solidária fez a diferença em uma madrugada em que a média dos termômetros paulistanos chegou a 5 °C, menor registro em três anos. Em alguns bairros, porém, como Marsilac (zona sul), o frio chegou à marca de -0,1°C. Moradores se queixam da qualidade dos abrigos públicos e Prefeitura diz que não faltam vagas, mas admite que há problemas. Já chega a cinco o número de pessoas em situação de rua encontradas mortas no Estado desde o início da onda de frio.

O Estado esteve nas ruas de São Paulo ontem e viu a situação daqueles que não foram recolhidos para abrigos públicos. Todos os espaços longe do chão gelado, como os deques do Largo de São Bento, eram opção. E houve casos como o do gari Geraldo, de 59 anos, que na última madrugada dormia dentro de uma “barraca” feita com caixas de papelão. Desde que perdeu o emprego e as economias, há dois anos, está nessa situação. “Eu só queria uma oportunidade. A gente só consegue mudar pelo trabalho e tenho esperança de que ainda vou conseguir”, diz. Ou o caso do soldador Clodoaldo, de 34 anos, desempregado e dependente de álcool, que só queria uma passagem para sua cidade natal, no Mato Grosso do Sul. “Minha preocupação não é o frio, é o amanhã.” 

Solidariedade

Às 22 horas, o Estado encontrou dona Odete indo para o segundo turno do trabalho: a entrega das quentinhas. “Faço questão de vir entregar porque é muito bom ouvir cada agradecimento deles. Minha família cresceu participando desse projeto, eu não falto nenhum sábado”, conta ela, que, junto a mais de 200 voluntários, integra a ONG Anjos da Noite, que presta atendimento à população de rua no entorno da região da 25 de Março e São Bento.

Há mais de 20 anos no projeto, Dona Odete é acompanhada todos os sábados pelo filho Marcos, de 43 anos, e pelo neto Jorge, de 16. “O menino, a gente traz desde que tinha 4 meses de idade. Ele era bebê e vinha com a gente. Hoje, os amigos podem chamar ele para sair sábado à noite, mas prefere vir aqui”, diz, orgulhosa. 

Além das refeições, a ONG distribui cobertores, roupas, água, kits de higiene e até ração para os animais dos moradores de rua. A rotina repete-se todos os sábados há 30 anos, desde que a ONG foi criada pelo servidor público Kaká Ferreira, de 66 anos. Com as baixas temperaturas, os “Anjos da Noite” reforçaram o estoque de cobertores, agasalhos, meias e toucas, e saíram a pé pelas ruas do centro distribuindo um pouco de calor a quem dormia nas calçadas. 

Pelo caminho, os voluntários encontram as mais diferentes histórias e demandas. “Não é só auxílio material. É também conversar com eles, conhecê-los, saber o nome. Muitos já foram abandonados pela família, então precisam de um alicerce”, diz a advogada Vanessa Miyuki, de 27 anos, que entrou para o projeto na noite de Natal de 2018 e continua até hoje. Na ONG, conheceu o namorado, o designer Renato Broco, de 24 anos, que começou a participar aos 12 anos. “Vim por causa de um trabalho de escola e não parei. Às vezes as pessoas acham que essas ações são para ajudar o outro, mas eu vejo que é uma forma de me ajudar também, de preencher um vazio na vida.” 

De acordo com o presidente da ONG, o trabalho dos voluntários é o que mantém o projeto em pé, já que as doações são escassas. “Muitas vezes a pessoa não tem como colaborar com dinheiro ou objetos, mas tem a vontade de ajudar, de cozinhar, de participar da entrega”, diz ele. “Dinheiro mesmo a gente arrecada pouco. Esse mês foram só R$ 700”, conta. Muitos ajudam com a doação de alimentos, roupas ou cobertores. 

Queixas

Mesmo na madrugada mais fria do ano, a rua continua sendo mais atrativa a parte da população sem-teto, que alega má qualidade dos abrigos oferecidos pela Prefeitura. Pelo menos quatro sem-teto disseram ao Estado ter desistido de frequentar os equipamentos municipais por causa da infestação de percevejos e muquiranas, espécie de piolho de cama. 

“A gente ganha cobertor e roupa novos de doação e tem de jogar tudo fora depois de ir para esses lugares porque fica tudo infestado, é uma coceira sem fim”, diz o pedreiro Denis Duarte, de 41 anos, que dormia na frente da Estação São Bento do Metrô, mas que já esteve em abrigos da Barra Funda, Parque Novo Mundo e Aricanduva, onde vivenciou os problemas. “Acho que falta fiscalização nesses lugares.” 

O carroceiro Marcos da Silva Farias, de 45 anos, teve experiência semelhante. “Dormi nesses lugares e eles não trocam nem o lençol quando sai uma pessoa e entra outra. Saí de lá todo empelotado”, conta. Farias também reclama da escassez de vagas em abrigos que tenham estacionamento para carroças. “Isso aqui é meu ganha pão, como que eu vou deixar na rua?”, questiona. Outro problema apontado pelos moradores de rua é a tentativa da Prefeitura de enviá-los para abrigos distantes do centro. “Querem mandar a gente para Parque Novo Mundo, por exemplo, e não dão transporte de volta. Como que eu vou voltar a pé?”, indaga Guilherme Sampaio, de 28 anos. 

Futuro

Questionado sobre os problemas, o secretário adjunto de Assistência e Desenvolvimento Social, Marcelo Del Bosco, afirma que a Prefeitura tem intensificado a fiscalização nos abrigos, que são administrados por meio de convênio com organizações sociais. “Desde abril tenho visitado esses locais e solicitado vários reparos e melhorias. Alguns inclusive ficaram fechados até que os problemas fossem solucionados”, diz ele, que prometeu apurar as denúncias feitas pelos moradores. 

Bosco afirmou ainda que está em estudo a oferta de transporte para pessoas que sejam encaminhadas para abrigos mais distantes do centro e queiram retornar de dia. Disse ainda que há diversos centros de acolhida que já contam com vagas de estacionamento para carroças. 

O prefeito Bruno Covas (PSDB) foi às ruas, publicou um vídeo nas redes sociais e prometeu reforçar as ações de acolhimento – o frio deve continuar pelo menos até terça. Ontem, o governo do Estado também fez uma “caravana” solidária, com grupos de ação social, saindo do Palácio dos Bandeirantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.