Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Perseguição e tiroteio param via nos Jardins

Bando de 15 homens tentou invadir casa e, na fuga, fez passageiros de ônibus reféns

Mônica Pestana, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2010 | 00h00

Uma tentativa de assalto a uma mansão na Rua Groenlândia, nos Jardins, zona sul, parou a região da Avenida 9 de Julho, na manhã de ontem. A polícia calcula que 15 homens armados com metralhadoras, fuzis e pistolas participaram da ação. A PM foi avisada e houve perseguição e tiroteio pelas ruas do bairro. Dois assaltantes invadiram um ônibus e mantiveram os passageiros reféns. Três suspeitos acabaram presos.

Segundo a Polícia Militar, os 15 homens se encontraram na Praça da República por volta das 6h30 e seguiram para a mansão, uma administradora de imóveis que ainda não estava aberta. Um dos carros usados pelo grupo é um Palio Weekend roubado no dia 14 de setembro, em Santo Amaro, zona sul da capital.

Já na Rua Groenlândia, três homens entraram no imóvel e renderam o caseiro José Carlos, de 53 anos, que teve as mãos amarradas com fita adesiva. "Eles chegaram e pediram para eu abrir a porta. Me ameaçaram e prenderam meus pulsos. Nunca tinha passado por algo assim", disse Carlos.

O dono do imóvel, Silvio Guedes, que não estava no local, foi avisado por vizinhos. "Chamei a PM e fui direto para o local", conta Guedes, de 50 anos. A entrada no imóvel foi facilitada, segundo ele, por uma reforma na casa vizinha. "Eles entraram pela lateral e depois fugiram pelos fundos. Não tinha dinheiro nenhum no cofre. Lá só havia talões de cheque. Foi a primeira vez que fui assaltado", contou.

Quando a PM chegou à mansão, os bandidos começaram a atirar. Os três que haviam invadido o imóvel pularam o muro e entraram em um prédio vizinho. Gilvan Candido Simão Prates, de 27 anos, não conseguiu prosseguir e foi preso. Os outros dois atravessaram a Avenida 9 de Julho e entraram em um ônibus articulado que seguia no sentido centro. Os passageiros foram mantidos como reféns, mas minutos depois policiais conseguiram entrar no coletivo e prender os suspeitos.

Outros dois bandidos que não entraram no imóvel fugiram na Palio Weekend pela 9 de Julho e entraram na Rua Alemanha. Na esquina da Avenida Europa, trocaram tiros com a polícia e renderam a bancária Cibele Villas Boas Barros, de 31 anos, que dirigia uma Zafira. "Ouvi o tiroteio e eles apareceram pedindo calma e para eu sair do carro", disse. O carro foi abandonado na Rua Inglaterra e uma Parati, roubada na mesma via, foi encontrada na Favela Alba, na zona sul. A polícia não sabe como o restante dos criminosos fugiu.

O tiroteio obrigou os marronzinhos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) a interditar a Avenida 9 de Julho por quase uma hora (das 7h56 às 8h46). Na Avenida Europa, por onde os criminosos também passaram na fuga, uma parte da via foi monitorada pelos agentes mas não houve bloqueio.

Para a delegada titular do 15.º Distrito Policial (Itaim-Bibi), Nilze Scapulatielo, os bandidos achavam que estavam roubando um imóvel residencial. "A região chama a atenção por causa das mansões, pelo poder aquisitivo", afirma. "São pessoas novas, que não se intimidam e até trocaram tiros com a polícia", disse. Com os três presos, a polícia apreendeu um alicate, quatro celulares, um pistola 380, dois revólveres calibre 38 e um colete à prova de balas.

4 PERGUNTAS PARA...

Cláudia Cerqueira, PASSAGEIRA DO ÔNIBUS

1. Como aconteceu?

Os bandidos bateram na porta da frente do ônibus e o motorista abriu a porta. Dois homens entraram correndo e começaram a gritar. Eles passaram a catraca e mandaram todo mundo ficar abaixado e calmo.

2. A que horas aconteceu a ação na 9 de Julho?

Perto das 7 horas. Era um daqueles ônibus sanfonados. Estava lotado.

3. Quando tempo durou a ação dos bandidos?

Fiquei tão desesperada que perdi a noção do tempo. Acho que foram alguns minutos, mas os policiais subiram no ônibus logo em seguida e prenderam os dois.

4. Qual foi a sua reação?

Fiquei em pânico e não sabia o que fazer. Poderia ter morrido. Acho que nasci de novo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.